Técnica estimula o profissional a dar exemplos de como agiu em determinadas situações e os resultados obtidos

A maneira como o profissional superou desafios ao longo de sua carreira. Detectar isso, mapeando assim suas habilidades, é o grande mote da entrevista por competência.

A técnica não é nova, mas tem sido cada vez mais usada pelas companhias para aumentar a eficiência dos processos de recrutamento. "A seleção por competência é baseada em uma linha de estudo da psicologia chamada comportamental. No geral, ela diz que o comportamento passado prediz o futuro, ou seja, a pessoa tende a reagir de forma similar, em situações parecidas", explica Juliana Nascimento, consultora da DM Especialista.

Com base nisso, na seleção por competência o candidato é estimulado a dar exemplos de como resolveu determinada questão. O entrevistador pode perguntar como o profissional solucionou um problema de queda de produtividade da equipe ou de redução nas vendas. "No momento em que define a vaga, a empresa determina quais competências são importantes para aquela função", diz Alessandra Lupo, coordenadora de Assessment da D.A. Consulting.

A partir das demandas da contratante, o recrutador formula duas ou três questões relacionadas a cada habilidade. "O objetivo é entender como a pessoa funciona em cada cenário", afirma Alessandra.

Juliana, da DM: profissional tende a reagir de forma semelhante em situações parecidas
Divulgação
Juliana, da DM: profissional tende a reagir de forma semelhante em situações parecidas
Preparado para a avaliação

Não existe uma fórmula para se sair bem na entrevista por competência, uma vez que o que definirá é a forma como o profissional reage em cada caso. Entretanto, algumas dicas ajudam a se preparar melhor. "O mais importante é apresentar situações que ele tenha vivido, mostrando qual era o panorama, o papel desempenhado por ele e os resultados obtidos", recomenda Juliana. "O candidato deve ser objetivo sem ser superficial", diz.

Outra ação que ajuda é tentar relembrar, antes mesmo da entrevista, os desafios que enfrentou e como os resolveu, buscando resgatar dados que permitam destacar os resultados.

Longe da subjetividade

Engana-se quem pensa que o método abre espaço para subjetivismos. Ao contrário, essa preocupação faz com que a empresa seja impulsionada a definir quais as características de cada competência. Assim, se ela pede uma pessoa comprometida, deve dar exemplos do que considera comprometimento, detalhando cada habilidade. "Algumas companhias já conseguiram traçar modelos de competência e isso é muito positivo para o trabalho do selecionador", diz Juliana.

De acordo com a especialista, a metodologia faz parte de um conceito maior, que é a gestão por competência. "A empresa define suas estratégias e qual o perfil de profissionais que vai precisar para alcançar seu objetivo. A partir daí cria os grupos com essas características", explica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.