Publicidade
Publicidade - Super banner
Carreiras
enhanced by Google
 

Os riscos da previdência privada

Como se proteger para não ser pego de surpresa ao escolher um PGBL ou VGBL

Andrea Giardino |

Quem faz um plano de previdência privada sonha em desfrutar o dinheiro guardado assim que parar de trabalhar. Mas o destino reserva surpresas e quem pensa no futuro deve levantar a possibilidade de morte ou invalidez.

Em geral, os planos de previdência podem ser divididos em duas fases: a de contribuições e a de pagamento do benefício. Na primeira etapa, os recursos são remunerados de acordo com as regras vigentes. Dessa forma, no caso de morte, o saldo acumulado, descontados os impostos, fica à disposição dos beneficiários legais. Em caso de invalidez, o próprio segurado pode receber a quantia em questão.

Por outro lado, se a morte acontecer durante o período de contribuição, duas são as possibilidades. Se o participante optou por receber uma renda vitalícia, o dinheiro depositado passa a fazer parte da reserva técnica da seguradora, não dando direito aos dependentes. Essa situação ocorre porque o benefício foi calculado em cima da expectativa de vida do contratante.

Agora, se a opção foi receber uma quantia determinada por um também determinado número de anos, os beneficiários passam a ter direito a receber o valor até que se complete o número de anos do contrato. O valor também pode ser sacado de uma só vez, descontados os devidos impostos. 

Escolha da seguradora - Ao contratar um plano de previdência, também deve-se ficar atento à solidez da instituição onde vai se aplicar o dinheiro, assim como ocorre quando se escolhe um banco, por exemplo. Por ser uma aplicação de longo prazo, caso haja algum problema com a seguradora, o cliente pode acabar no prejuízo, alerta o consultor de finanças, Marcelo Ribeiro. Ou na melhor das hipóteses, aguardar  um longo período até que a Justiça defina a situação.

Se no meio do caminho você se arrepender de ter contratado uma determinada empresa, é possível fazer a transferência dos recursos para outra instituição, desde que para a mesma categoria de plano. Por exemplo, você pode trocar o Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) de uma empresa para o VGBL de outra empresa. Já para tipos diferentes, não é possível fazer a troca.

Leia mais:

Guardando para o pós-carreira

Quanto custa ter um plano de aposentadoria

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG