Conclusão é de pesquisa Hay Group

São Paulo ¿ No ambiente corporativo, é consenso que atingir altos níveis hierárquicos não é mais o bastante para a realização profissional. Mais do que ser chefe, o executivo quer tornar-se líder e levar a equipe a realizar atividades ainda melhores e com mais dedicação.

As mulheres, embora ainda sejam minoria (8,8%) nos altos cargos das empresas, como alta gerência, diretoria, vice-presidência e presidência, também almejam esse reconhecimento, de acordo com a pesquisa da consultoria de gestão de negócios Hay Group intitulada Os Estilos de Liderança e o Clima das Equipes das Executivas Brasileiras.

Relacionamento - O estudo revela que as executivas se destacam como profissionais que buscam o alcance de resultados e altos padrões de excelência. Como líderes, valorizam o relacionamento interpessoal e buscam criar harmonia em sua equipe, ao incentivar a participação de seus colaboradores.

Tais características foram fundamentais para apoiar o processo de participação mais efetiva das mulheres no mercado de trabalho e mesmo não sendo suficientes para que as tornem líderes dirigentes, mostram que elas podem estar no caminho certo já que são flexíveis e conseguem mesclar diferentes estilos, conforme a situação profissional com a qual se deparam.

Estilos - Estudos anteriores do Hay Group evidenciaram seis estilos de liderança, independentemente do sexo. São eles:
- Coercitivo - Busca obediência imediata
- Dirigente - Propicia visão e direcionamento de longo prazo, influenciando outros a segui-lo
- Afetivo - Procura harmonizar a equipe
- Democrático - Busca o comprometimento pelo consenso
- Modelador ¿ Almeja altos padrões de excelência
- Treinador - Trabalha pelo desenvolvimento de pessoas no longo prazo

Os seis estilos foram classificados como masculinos e femininos, segundo os estereótipos de cada gênero. São identificados como masculinos (hierárquico e transacional) os padrões coercitivo, dirigente e moderador.

Entre os femininos (relacional, com posicionamento menor de autoridade) estão os estilos afetivo e democrático. O modo treinador foi considerado neutro.

Visão de longo prazo ¿ Os estilos mais fortes nas executivas são o democrático e afetivo, seguidos do coercitivo. Segundo o estudo, elas precisam aprimorar mais o lado dirigente, que proporciona visão e direcionamento para os colaboradores, bem como o treinador, que desenvolve a equipe em longo prazo, contribuindo para a formação de sucessores e pessoas chave para a organização.

Leia mais sobre empregos

Siga o iG Empregos no Twitter

Receba as atualizações do iG Empregos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.