Tamanho do texto

Para vestir-se de forma adequada, profissional precisa observar estilo da companhia

Aquele terninho preto básico que você vestiu no evento importante da família ou da faculdade pode ser lindo, mas totalmente sem propósito se usado em um ambiente de trabalho cujo mote é ser criativo e descolado, como é o caso de agências de publicidade ou empresas que trabalham com mídia.

Apesar de parecerem sinônimos, estar apropriadamente vestido para o trabalho e estar bem vestido são maneiras diferentes de encarar o visual. “A roupa adequada está mais relacionada à prática do senso comum, o mínimo esperado. Vestir-se bem depende de um refinamento que vai além”, explica a consultora de moda e estilo Fabiana Setsuko.

Atenção à diretoria

Para não errar no visual, a dica é observar os chefes, ainda que, muitas vezes, eles sejam os primeiros a cometer gafes, avisa Bia Kawasaki, consultora de Moda, Imagem Pessoal e Corporativa.

“Deve-se olhar o ambiente da empresa. As multinacionais, por exemplo, acham que a mulher brasileira é muito básica, o que não é visto com bons olhos. Nessas situações, é importante caprichar mais na maquiagem, com dois tons de sombra, por exemplo”, explica Bia.

Colegas de departamento também são um bom referencial, diz Fabiana. “Os superiores geralmente se vestem da forma como esperam que os outros se vistam. Se a sua chefe não usa salto alto, por exemplo, ela não vai exigir o mesmo de você. Exercite o bom senso”, alerta.

Para não errar no visual, a dica é observar os chefes
SXC
Para não errar no visual, a dica é observar os chefes
Casual

Outro cuidado que o profissional deve ter é com a sexta-feira, quando muitas empresas liberam os funcionários para se vestirem de maneira mais informal. “Se você usa camisa, calça, cinto e sapato social no dia a dia, não condiz com a situação aparecer de chinelo e bermuda florida na sexta-feira só pelo título de casual”. Afirma Fabiana. “É importante manter a mesma linguagem. Tente trocar a calça por jeans e o sapato social por um tênis moderno que não seja esportivo”, ensina Fabiana.

Cuidados essenciais

Estar bem vestido, antes de tudo, exige certos cuidados básicos. “Cabelos cortados, limpos, barba bem-feita, maquiagem adequada, sobrancelhas cuidadas, unhas feitas, depilação em dia, além de evitar excesso de perfume. A imagem começa por ai!”, diz Andrea Furco, consultora de imagem.

O mesmo cuidado de limpeza também vale para as peças de roupa. Não é nada bonito uma camisa amassada, um fio solto, um botão faltando. Para compor um armário, recorrer aos clássicos preto, branco e cinza vale a pena. “E para não cair na monotonia, inclua estampas discretas que combinem com estas cores. Cuidado com acessórios. Brincos grandes atrapalham no telefone e não é nada elegante retirá-los para executar essa função”, alerta Andrea.

Aromas e cores

Perfumes e maquiagem também são itens que merecem atenção dos profissionais. Para elas, o mais indicado é deixar de lado o desodorante com cheiro e adotar um inodoro junto a um perfume que não seja muito doce. Para eles, é bom prestar atenção a alguns fabricantes de perfumes que investem em desodorantes da mesma linha.

Em ambientes mais formais, como é o caso de escritórios de advocacia, por exemplo, trajes mais sérios já são esperados. Contudo, isso não significa que ele seja um uniforme. “Usar um acessório bonito que combine com a camisa, usar de dois a três tons de sombra, buscar o que há de mais moderno nesse estilo formal fazem a diferença no impacto visual que esse profissional causará em seus clientes”, diz Bia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.