Publicidade
Publicidade - Super banner
Carreiras
enhanced by Google
 

Empresas de TI criam centros de formação

Capacitação é saída para driblar apagão de talentos

Andrea Giardino |

No Brasil, sobram por ano 40 mil vagas na área de tecnologia da informação, reflexo da escassez de mão-de-obra especializada. Para minimizar o problema, algumas empresas estão capacitando seus profissionais. É o caso da Altran. A consultoria francesa investiu R$ 800 mil na criação de um instituto de formação no país, o primeiro fora da Europa. 

São oferecidos cursos pagos, com foco em gestão de projetos, SOA (Services Oriented Architecture) e BPM (Business Process Modeling), todos abertos ao público. O número de vagas é definido pelo volume de inscritos. Não há processo de seleção e, normalmente, os cursos acabam sendo desenhados sob medida para grupos de empresas.

Em parceria com o Instituto Europeu do grupo Altran, as operações no Brasil estão também registradas no PMI (Project Management Institute), entidade que certifica profissionais ligados a gestão de projetos.  Cerca de 30 pessoas já foram contratadas e estão sendo treinadas pela Altran.

Já a BRQ, empresa brasileira que atua no mercado de desenvolvimento de software, resolveu investir em ações que suportem o crescimento da companhia. Para os próximos dois anos está prevista a abertura de centros de desenvolvimentos fora do eixo Rio-São Paulo, além da contratação de novos profissionais.

A meta é inaugurar quatro centros até 2009, sendo o primeiro em Curitiba. A empresa destinará R$ 9 milhões ao projeto, que deve ter 700 funcionários em cada centro de produção, diz Simone Andrade Guarischi, diretora de recursos humanos da companhia. Desse total, cerca de R$ 3 milhões irão para o departamento de RH, que está se reestruturando.

O foco da BRQ atingirá as políticas de atração e retenção de talentos, programas de capacitação e estágios. A BRQ conta hoje com dois mil profissionais e pretende chegar a 12 mil em 2012. Cerca de 300 vagas estão em aberto e a maior dificuldade na busca por profissionais, de acordo com Simone, é a barreira do inglês, problema vivido por toda a indústria de TI.

 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG