Publicidade
Publicidade - Super banner
Carreiras
enhanced by Google
 

Confira as dicas para montar um videocurrículo

Saiba quando esse tipo de recurso pode render pontos na seleção

Rachel Sciré |

O currículo acompanhou o desenvolvimento das tecnologias e chegou à Internet, na versão em vídeo. Nela, os profissionais se apresentam de maneira direta e explicam cada campo do currículo em papel. O videocurrículo serve para despertar maior interesse ao recrutador ou demonstrar certas habilidades, como facilidade de expressão, diz Gerusa Mengarda, gerente de seleção da Allis, consultoria de recrutamento.

Ela explica que o modelo é mais interessante para profissionais de áreas em que é prerrequisito ter capacidade de persuasão e comunicação, a exemplos de atendentes e vendedores. Nos demais casos, é totalmente dispensável montar um currículo em vídeo.

Para quem quer fazer uma versão audiovisual do currículo, Gerusa ensina que um roteiro de apresentação é fundamental. Basta seguir a mesma sequência do currículo comum e contar de modo objetivo, sem autopropaganda, os seus diferenciais. A recomendação é falar não mais do que cinco minutos.

Grande produções não são necessárias, afirma. Opte por um formato neutro. Vinhetas e trilha sonora não cabem no modelo, segundo a consultora. No entanto, lembre-se de tomar cuidado com a qualidade da imagem e do som, a iluminação, o plano de fundo e sua aparência.

O mais importante é adotar uma postura profissional, ensina Gerusa. Apresente-se como se fosse uma entrevista de emprego para chamar atenção por suas competências. Por isso, ela recomenda evitar erros de português ou gírias e se apresentar com naturalidade.

Divulgação ¿ Assim que seu material estiver pronto, você deve postá-lo em sites de compartilhamento de vídeo e incluir o link na versão tradicional do currículo, que não deve ser aposentado. A especialista não recomenda o envio do link ou do vídeo por e-mail durante a seleção. Informe a disponibilidade do vídeo, se o recrutador tiver interesse irá procurar, ressalta.

Segundo ela, a versão visual é positiva para queimar etapas no processo seletivo, já que facilita o reconhecimento de algumas características, como postura e desenvoltura. Da mesma forma, o vídeo demonstra que o candidato é uma pessoa inovadora e aberta a mudanças.

No entanto, se o material for mal feito pode impactar negativamente a imagem profissional. Se você não tem jeito para se colocar frente à câmera, é melhor nem arriscar, aconselha Gerusa.

Leia tudo sobre: currículosig empregos

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG