Recurso é válido para recém-formados, mas depende da cultura da empresa

Enquanto o currículo tem um foco profissional, o trabalho voluntário tem um foco social. Por isso, adverte Cristina Reininger, consultora em outplacement da De Bernt Entschev Human Capital, ele só deve ser incluído no currículo se tiver alguma ligação com os objetivos profissionais.

A exceção que confirma a regra é o caso de recém-formados. Assim como o iG Empregos destacou nesta reportagem , o recém-formado, que ainda não tem experiência profissional, pode incluir o trabalho voluntário como um diferencial. Também pode ser destacado em situações de entrevista, ressalta Cristina.

Cultura - De acordo com a consultora, não existe um tipo de trabalho voluntário específico que seja mais ou menos valorizado pelo recrutador. Isso vai depender da cultura de cada empresa, destaca. Algumas empresas não têm foco no trabalho voluntário; nesse caso, segundo ela, não vale a pena citar.

Quem se dedica a um trabalho voluntário esperando algum reconhecimento futuro na carreira deve refletir se existe um real comprometimento e dedicação: Alguns trabalhos exigem um envolvimento com ações contínuas, opina a consultora.

Já o presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH) Nacional, Ralph Arcanjo Chelotti, defende que pode ser interessante acrescentar essa informação ao currículo. Muito do conhecimento que esse profissional vai adquirir e transmitir [no trabalho voluntário] pode ajudar nas atividades da companhia, justifica.

Cristina aponta outra alternativa para a inclusão do trabalho voluntário no currículo: pode servir de suporte à avaliação de características de personalidade do profissional em processo de seleção.

Como participar ¿ Para quem se animou e deseja começar a fazer algum tipo de trabalho voluntário, uma dica é procurar o Instituto Faça Parte , entidade criada em 2001, Ano Internacional do Voluntário e que incentiva o fortalecimento do trabalho voluntário.

Existe até mesmo a possibilidade de fazer um trabalho voluntário sem sair de casa: a Fundação Dorina Nowill para Cegos aceita voluntários para lerem as obras. A seleção é feita por teste de voz. O voluntário pode levar a obra para sua casa, instalar um software em seu computador e ler em voz alta. O processo de leitura e gravação de um livro demora em torno de um mês.

Leia também:
- Profissional sustentável ganha espaço

- Saiba como pedir uma carta de recomendação para um novo emprego

- Como indicar seu objetivo e experiências profissionais no currículo

Receba as atualizações do iG Empregos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.