Publicidade
Publicidade - Super banner
Carreiras
enhanced by Google
 

Casual day: falta de limites prejudica a carreira

Imagem do profissional pode ser abalada quando ele não souber se vestir de maneira adequada

Andreza Emília Marino |

Instituído com o objetivo de dar aos funcionários um dia ¿ geralmente a sexta-feira ¿ mais descontraído, em que é possível usar roupas mais informais, o chamado casual day ainda é cercado de dúvidas e de limites pouco claros. Por conta disso, ele é facilmente pensado como um dia de confusão.

O figurino do casual day não é o mesmo daquele do final de semana, afirma a consultora de imagem pessoal e etiqueta Ana Vaz. Pode parecer muito radical, mas o contratado vendeu oito horas diárias de sua vida para a empresa. Sendo assim, ela pode determinar o que ele deve usar nesse período, seja uniforme, terno e gravata ou calça jeans uma vez por semana.

A marca é um ativo muito importante para uma empresa. Dessa forma, o quadro de funcionários é responsável também pela imagem que a empresa projeta e pelos valores que ela dissemina. Os clientes costumam ter baixa tolerância com relação a valores arranhados.

A consultora alerta para os prejuízos à carreira do profissional que não escolhe bem o "modelito" dos dias menos formais. Quem não sabe como se comportar e como se vestir é considerado despreparado. Para Ana, em tempos em que a qualidade é preocupação constante nas empresas, é inadmissível passar a imagem de desleixo. Se o colaborador não demonstra cuidados com si mesmo, quem irá acreditar que ele é preocupado com a excelência profissional e com o cliente?, pergunta. Tricô com bolinhas, calça desbotada, camisa com botão caído denotam também pouca atenção a detalhes, falta grave no ambiente corporativo.

Preterido na promoção
O vestir-se de maneira adequada conta pontos, ainda, na hora de uma recolocação interna ou aumento salarial. Entre você, que é competente, e um colega, que é competente e sabe o que usar num casual day ou num evento corporativo, o escolhido será ele, declara Ana.

De forma geral, o funcionário precisar estar preparado para almoços de negócios ou visitas a clientes. Michael Montgomery, vice-presidente da Singular Partners, butique de investimentos com sede em São Paulo, normalmente se veste de forma sóbria mesmo às sextas-feiras (leia-se camisa e calça social) já teve uma reunião marcada de última hora. No caminho, passou em casa e vestiu um terno. Desde esse dia, prefiro ir de terno de uma vez ou, pelo menos, deixá-lo no trabalho para evitar dores de cabeça, diz.

Bom senso é perigoso
A empresa precisa deixar claro o que é e o que não é permitido, para evitar os temíveis exageros. Contar com o bom senso no que se refere ao casual day é arriscado. A consultora Ana Vaz foi contratada por uma empresa norte-americana para corrigir situações assim. Por mais óbvio que pareça, foi preciso impedir que algumas colaboradoras fossem ao trabalho com blusas que mostravam a barriga", relembra. "Precisei dar exemplos e justificar todas as proibições." Mesmo assim, muitos funcionários não gostaram das novas medidas. "A empresa precisou ameaçar mandá-los mudar de roupa caso não estivessem conforme o que havia sido estabelecido, relata a consultora.

Ela conta, inclusive, que uma funcionária ficou muito ofendida quando foi proibida de usar uma tornozeleira e se recusava a tirá-la. Ela demorou a entender que uma imagem sensual não é favorável para uma profissional que quer demonstrar competência e seriedade, diz.

Há um consenso de que determinadas empresas e profissões têm mais tolerância do que outras. Designers, por exemplo, não precisam se vestir como bancários. Outro caso lembrado pela consultora de imagem foi o da firma que tinha cerca de 200 estagiários e trainees, que adotavam um visual que mais lembrava o de um skatista (bermuda larga, fora da cintura e camiseta puída). Não é porque se é jovem que é permitido ir de boné para o trabalho. Isso não é questão de idade, e sim, de maturidade.

O que usar
¿ Empresas muito formais ¿ terno e gravata, para homens, e terninho e tailleur, para mulheres. Sapatos sociais.
¿ Empresas menos formais ¿ camisa e calça social, para homens, e blazer e calça social, para mulheres. Sapatos menos formais.
¿ Empresas informais ¿ calça jeans escura e de modelagem reta, vestido com altura no joelho ou abaixo dele, com cores sóbrias, calça capri. Tênis limpos e sem rasgos.

O que não usar
¿ Para as mulheres ¿ blusa de malha, blusas que mostram a barriga, alças (liberadas com mais de três dedos de largura), decotes (permitidos a partir da altura das axilas), saias curtas (pensar no comprimento ao se sentar), tênis velhos, brilhos e pedrarias, roupas desbotadas, calças com lavagens especiais, camisa com botão caído, salto anabela de cortiça.
¿ Para os homens ¿ bermudas, bonés, camisetas, tênis desgastados.                                          

Leia tudo sobre: ig empregosig empregos carreira

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG