Veja estagiários que se tornaram presidentes

Conheça os executivos que fizeram carreiras de sucesso sem precisar mudar de empresa

iG São Paulo | - Atualizada às

Quem está hoje em qualquer etapa da seleção para um programa de estágio ou trainee tem certamente a expectativa de dar os primeiros passos em uma carreira profissional de sucesso. Para os que forem selecionados, o próximo ano marcará no currículo o começo da trajetória de quem daqui a dez ou 15 anos poderá estar ocupando postos de comando de importantes empresas. Podem estar até na cadeira de presidente da companhia que hoje aplica testes de inglês, dinâmica e entrevistas no atual candidato à vaga. 

O iG selecionou alguns nomes que são exemplos dos que aproveitaram as oportunidades e chegaram ao topo nas empresas. Todos presidem ou presidiram as companhias onde começaram como estagiários ou trainees. O objetivo da lista é mostrar que se você hoje está preocupado com a próxima etapa do recrutamento, suas atenções a partir de 2011 podem ganhar um horizonte muito mais amplo, cujo objetivo pode ser ocupar a sala da presidência.

Veja abaixo a galeria de fotos com exemplos de quem alcançou essa meta e também um breve relato da trajetória de cada um desses 20 profissionais de sucesso em grandes companhias.

Conheça ainda como o tempo para chegar ao topo vem diminuindo e tome contato com as dicas de quem chegou ao topo da carreira.

Veja a trajetória dos ex-estagiáros e ex-trainees que chegaram a presidentes das empresas:

Vasco Dias começou como estagiário e é ex-presidente da Shell Brasil. Foto: DivulgaçãoRoger Ingold é ex-trainee e preside a Accenture. Foto: (Divulgação)Pedro Melo é ex-traine e se tornou presidente da consultoria KPMG. Foto: DivulgaçãoNei Schilling Zelmanovits é sócio e CEO da Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados onde entrou como estagiário. Foto: DivulgaçãoGustavo Marin começou como estagiário do Citibank no Uruguai e chegou a presidir o banco na América do Sul. Foto: Eduardo Lopes/Imagem PaulistaMarcos de Marchi foi estagiário e se tornou presidente da Rhodia. Foto: DivulgaçãoLaércio Cosentino foi estagiário da Siga que deu origem à Totvs, da qual é presidente. Foto: AEKees Kruythoff, foi trainee na Holanda chegou a presidir a Unilever no Brasil. Foto: DivulgaçãoJack Welch foi de estagiário a presidente da General Electric. Foto: Getty ImagesIvan Zurita começou como estagiário e se tornou presidente da Nestlé. Foto: AEDomingos Bulus foi estagiário e chegou a presidente da White Martins. Foto: DivulgaçãoHarro Burmann, presidente da Dana América do Sul, começou como trainee. Foto: DivulgaçãoAndrew Gray foi estagiário e chegou a presidente da Souza Cruz. Foto: DivulgaçãoAlexandre Schiavo, presidente da Sony Music, começou como trainee no Brasil. Foto: DivulgaçãoPaulo Sérgio Kanikoff, presidente da Gol, já comandou a Audi no Brasil e começou como estagiário da Volkswagen. Foto: Eduardo LopesAlain Belda, ex-presidente mundial da Alcoa, foi estagiário no Brasil. Foto: Bloomberg via Getty Images/Bloomberg

Alain Belda, ex-presidente da Alcoa
O marroquino Alain Belda formou-se em administração pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo (SP). Em 1969, quando ainda era estudante, ele se naturalizou brasileiro e entrou como estagiário na empresa produtora de alumínio Alcoa. Chegou a presidente mundial da companhia em 1999 e, em 2001, passou a compor o conselho de administração da empresa. Hoje é conselheiro também no Citibank, IBM e Renault.

Alexandre Schiavo, presidente da Sony Music
Formado em Administração pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ), Schiavo entrou na Sony como estagiário em 1992. Trabalhou no departamento de marketing estratégico, vendendo produtos para empresas. Mesmo sem ter sala ou mesa (sentava em cima de uma pilha de papéis na sala de seu chefe), obteve sucesso nas vendas. Foi promovido a coordenador e em seguida supervisor e gerente de marketing estratégico. Chegou a diretor de marketing internacional em Nova York. Em 2005, assumiu a presidência da gravadora.

Andrew Gray, ex-presidente da Souza Cruz
Começou a trabalhar como estagiário na companhia em 1986, na área de Marketing. Foi presidente da Souza Cruz entre março de 2006 a dezembro de 2007. Tornou-se diretor responsável pelas operações da British American Tobacco na África e Oriente Médio.

Daniel Moczydlower, CEO da Chemtech
Natural do Paraná, Daniel se formou em engenharia química pela UFRJ, na qual concluiu também seu mestrado. Começou na Chemtech como estagiário em abril de 1998 e assumiu a presidência da empresa 12 anos depois. Sua trajetória émarcada por estar à frente dos dois dos maiores contratos da empresa no Brasil (das empresas Comperj e Rnest). No ano de 2009, recebeu o prêmio de gerente de projeto do ano, o Project Management Effectivenes, que é concedido pela revista Mundo PM e Fundação Getúlio Vargas (FGV). O passo seguinte foi assumir a presidência da empresa no Brasil.

Domingos Bulus, presidente da White Martins
O engenheiro mecânico Domingos Bulus ingressou como estagiário na White Martins em 1984 passando pelos setores de produção e distribuição, até tornar-se gerente de desenvolvimento de negócios em 1988. Depois de cinco anos assumiu o cargo de diretor-executivo da unidade Praxair, empresa global da rede, que atua na Colômbia, Venezuela, Peru e Equador. Em 2001, passou a ser o responsável pela empresa na Ásia, em Cingapura. Em julho de 2003, voltou ao Brasil e assumiu a presidência da White Martins e da Praxair América do Sul.

Gustavo Marin, ex-presidente do Citibank
Marin começou sua carreira no Citibank como trainee executivo no Departamento de Crédito em Montevidéu, Uruguai. Era o ano de 1981 e ele acabara de se formar em finanças pela Universidade de La República. Após ocupar diversos cargos, foi presidente do Citi no Paraguai e no Peru e, em 2005, assumiu a presidência do Citi Brasil. Em 2010, além desse cargo, tornou-se responsável pela gestão do Citi no Cone Sul (Argentina, Paraguai e Uruguai). Foi membro ativo de diversas entidades, entre elas o Conselho de Diretores da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) e do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República.

Harro Burmann, presidente da Dana América do Sul
É formado em engenharia mecânica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pós-graduado em engenharia da qualidade pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS). Ingressou na Dana em 1989 trainee na Divisão de Forjados. Chegou a gerente de divisão em 1996. Foi para Sorocaba (SP) em 2000 como gerente e, em 2003, foi nomeado vice-presidente de Tecnologias em Manufatura para o Mercosul. Em 2004, foi transferido para os Estados Unidos como diretor global de operações. Voltou ao Brasil três anos depois para ser vice-presidente da Cadeia de Suprimentos Integrada, passando um ano depois a presidente da Dana América do Sul.

Ivan Zurita, ex-presidente da Nestlé no Brasil
Ivan Zurita começou sua carreira na Nestlé em 1972, quando ainda era estudante de economia na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo (SP). Passou por diversas áreas da companhia no Brasil e no exterior, entre eles os responsáveis pela produção de iogurte, sorvetes, bebidas, lácteos e produtos culinários. Em 2001, assumiu a presidência da empresa no Brasil.

Laércio Cosentino, presidente da Totvs
Formado em engenharia elétrica pela Escola Politécnica de Engenharia da Universidade de São Paulo, iniciou sua carreira como estagiário na Siga (Sistema Integrado de Gerência Automática) em 1978. Cinco anos depois, participou da transformação da empresa na desenvolvedora de softwares Microsiga, já como sócio de seu antigo patrão. Essa empresa é hoje a Totvs, considerada a sétima maior na área de softwares de gestão empresarial do mundo.

Luiz Fernando Edmond, ex-presidente da Ambev
Engenheiro de produção formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), entrou na Ambev no ano de 1990 na primeira turma de trainees da empresa, ainda denominada Cervejaria Brahma. Atuou nas áreas comercial, de operações e distribuição. Em 1996 tornou-se diretor regional da multinacional na Argentina. Nove anos depois, em 2005, voltou ao Brasil para assumir a direção geral da Ambev, cargo que ocupou até 2008.

Jack Welch, ex-presidente da General Electric
Engenheiro químico formado pela Universidade de Massachusetts, começou a carreira em 1960, como trainee da General Electric Company, nos Estados Unidos. Em 1972 já era vice presidente da empresa, a qual passou a presidir em 1981. Sua passagem por 20 anos à frente da GE, na qual aplicou várias inovações gerenciais, o transformou em um dos mais respeitados líderes de negócios do mundo. É autor de best sellers sobre gestão de empresas. Aposentou-se na General Electric em 2001, aos 66 anos, e hoje é dirige sua empresa de consultoria.

Kees Kruythoff, ex-presidente da Unilever Brasil
Holandês, formado em economia, o presidente da Unilever Brasil, Kees Kruythoff, começou sua carreira na Unilever ainda como trainee da área de marketing na Holanda, em 1993. Em 1999 ele foi para a África do Sul como vice-presidente da área de alimentos. Seguiu em 2002 para Ásia com a missão de expandir a empresa. A partir da sede em Xangai, foi o responsável pela construção da marca Lipton em todo o nordeste do continente: Japão, Coreia, China, Taiwan e Hong Kong. Chegou ao Brasil em 2007 para assumir a presidência brasileira em 2008.

Marcos De Marchi, ex-presidente da Rhodia América Latina
Enquanto ainda cursava engenharia mecânica têxtil na Faculdade de Engenharia Industrial (FEI) em 1978, iniciou sua carreira como estagiário na fábrica da Rhodia de Santo André (SP), uma unidade têxtil da empresa. Já havia passado por outras duas experiências de estágio até entrar na Rhodia. De 1999 a 2001 passou para o setor de negócios e foi o responsável pela Technical Fibers na América do Sul, passando a vice-presidente mundial dessa unidade na Suíça. Em 2004, volta ao Brasil e assume a presidência da Rhodia na América Latina.

Nei Schilling Zelmanovits, CEO da Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados
Formado bacharel pela Faculdade de Direito da USP, entrou no escritório em 1986, como estagiário, cursando o quarto ano da faculdade. Em 2007, além de sócio passa a ser o CEO do escritório.

Paulo Sérgio Kanikoff, presidente da Gol
Kanikoff ingressou na Volkswagen do Brasil aos 18 anos de idade como estagiário, quando ainda estudava administração na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Em 1998, foi promovido ao cargo de coordenador administrativo da montadora e começou uma trajetória executiva até em 2004 assumir a diretoria de Vendas e Marketing da empresa no Brasil. Em 2009, Kanikoff passou a presidente da Audi no país, empresa do grupo Volkswagen. Em 2012, saiu da Volks para assumir a presidência da Gol Linhas Aéreas.

Pedro Melo, presidente da KPMG
Após concluir o curso de contabilidade e a pós-graduação em análise contábil financeira, ambos os cursos pela Universidade São Judas Tadeu (SP), Pedro Melo, em 1981, ingressou na consultoria KPMG como trainee. Chegou à presidência da empresa no Brasil em 2008.

Roger Ingold, presidente da Accenture
O atual presidente da consultoria multinacional Accenture é formado em engenharia industrial pela Escola Politécnica de São Paulo. Também fez um MBA em em finanças no Instituto de Ensino e pesquisa (Insper, na época chamado Ibmec). É presidente do Conselho Latino-Americano da Accenture e do escritório no Brasil. Ingold começou na empresa como trainee, em 1981 e se especializou no setor de indústrias de varejo e distribuição de alimentos. Além disso, atua em estratégias de vendas, distribuição e supply chain (logística).

Vasco Dias, ex-presidente da Shell Brasil
Mesmo antes de se formar em sistemas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), Vasco Dias começou, em 1979 como estagiário na companhia petrolífera Shell do Brasil. Fez pós-graduação e, em seguida, passou a analista e chefe de sistemas. Em 1990, começou sua carreira executiva ao assumir o cargo de gerente e, posteriormente, foi transferido para o Shell Centre na Inglaterra. Retornou ao Brasil em 1993 para coordenar uma mudança organizacional da Shell Brasil e a criação da Shell Nordeste. Chegou a vice-presidente comercial em 1998 e, em 2005 assumiu a presidência da companhia no Brasil. Deixou o cargo em abril de 2010, quando foi nomeado diretor presidente da joint venture Shell e Cosan.

Vinícius Prianti, ex-presidente da Unilever do Brasil
Antes de entrar como trainee na Unilever, em 1971, Vinicius Prianti fez um estágio em um órgão do governo do Estado de São Paulo. Tinha 22 anos quando havia acabado de concluir o curso de economia na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Na empresa teve o primeiro contato com a área de marketing e passou a atuar nesse setor nas unidades da Inglaterra, México e Colômbia. Assumiu a presidência do grupo no Brasil em 2005, cargo que ocupou até 2008.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG