Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Camex muda regras do Proex para facilitar financiamento

Diante da escassez de crédito para a exportação, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) flexibilizou hoje as regras para o Proex Financiamento a fim de ampliar o número de empresas que podem ter acesso aos recursos. A partir de agora, poderão receber o financiamento do Proex as operações realizadas por empresas brasileiras exportadoras com faturamento anual de até R$ 300 milhões.

Agência Estado |

Antes, esse valor era de R$ 150 milhões.

Segundo o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Ivan Ramalho, a medida permitirá que um número maior de empresas tenha acesso aos recursos do Proex. De acordo com ele, a medida foi adotada em função da preocupação do governo com a escassez de crédito para o setor exportador. Ramalho explicou que havia o risco de o governo não conseguir liberar todo o orçamento de R$ 1,3 bilhão previsto para este ano para as operações do Proex Financiamento.

Segundo ele, faltando apenas dois meses para acabar o ano, 30% dos recursos ainda não foram utilizados. "Não faz sentido, nesse cenário de escassez de crédito, fechar o ano sem utilizar todos os recursos", afirmou.

A Camex decidiu hoje que o prazo de pagamento do financiamento será de seis meses para todas as operações. Segundo a diretora da Secretaria Executiva do Ministério, Lúcia Helena Souza, muitas empresas tinham dificuldades de recorrer ao Proex em razão do curto prazo para o pagamento do financiamento, que, às vezes, era de apenas 60 ou 90 dias.

O Proex Financiamento é administrado pelo Banco do Brasil, atende pequenas e médias empresas exportadoras, financiando importadores desses produtos brasileiros.

Grandes empresas

A Camex aprovou a ampliação de US$ 10 milhões para US$ 20 milhões do valor máximo, por empresa, no Proex Equalização. Lúcia Helena Souza explicou que esse limite vale para o comércio intra-firma (entre empresas do mesmo grupo em países diferentes). O Proex Equalização atende grandes empresas, nas quais 60% do comércio são entre empresas do mesmo grupo.

Segundo o governo, o limite anterior era insuficiente tendo em vista o volume exportado por empresas que produzem bens de capital e de alto valor agregado. O Proex Equalização é importante para as empresas porque garante competitividade às exportações das empresas intra-firma, a partir do Brasil, que sofrem forte concorrência de empresas de países desenvolvidos e de outras plantas do próprio grupo localizadas em outros países.

Os recursos disponíveis para o Proex Equalização este ano são de R$ 1 bilhão e apenas 70% estão comprometidos até o momento.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG