A Câmara concluiu nesta terça-feira a votação do Fundo Soberano do Brasil (FSB), uma espécie de poupança para investimentos no País e no exterior em épocas de pequeno crescimento da economia. Já estão reservados R$ 14 bilhões para o FSB. Apesar do texto base da matéria ter sido aprovado na última quarta-feira, alguns destaques da oposição ficaram pendentes e foram rejeitados.

A matéria segue para o Senado. Caso não sofra alterações é enviada para sanção do presidente da República. Do contrário é preciso que o texto volte para a Câmara para nova votação.

O líder do PT na Câmara, Maurício Rands (PE), disse esperar celeridade na votação do Senado. De acordo com ele, caso a matéria não seja aprovada os R$ 14 bilhões economizados serão usados para pagamento da dívida pública.

O FSB será vinculado ao Ministério da Fazenda e, de acordo com Rands, permitirá um retorno melhor que o das reservas internacionais, uma vez que as aplicações não vão ser majoritariamente em títulos do Tesouro Americano.

Leia mais sobre Fundo Soberano

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.