Los Angeles (EUA), 17 fev (EFE).- O Parlamento da Califórnia continuará hoje negociando o orçamento estadual, rejeitado em votações anteriores, sob a ameaça do Executivo de demitir milhares de funcionários para reduzir despesas.

Os legisladores vão retomar as conversas para conseguir a maioria que permita a aprovação do orçamento com o qual o governador Arnold Schwarzenegger quer combater uma dívida pública estimada em US$ 42 bilhões.

A dramática situação fiscal da Califórnia levou Schwarzenegger a apostar em uma alta de impostos temporária e num corte do investimento em serviços públicos em seu plano para sanear as contas públicas, o que gerou a oposição de legisladores republicanos, partido ao qual pertence o governador.

Os parlamentares rejeitam a opção de aumentar as taxas como medida para reduzir o déficit, em negociações que acontecem sem sucesso desde junho de 2008 e que levaram Schwarzenegger a adotar ações unilaterais.

Na semana passada, o governador da Califórnia anunciou um plano de demissões em massa para reduzir em 10% seu gasto público, uma medida extrema diante da dificuldade de aprovar o orçamento e da situação de emergência fiscal do estado.

As demissões, que pareceram uma tática para pressionar os legisladores a aprovar seu plano orçamentário, foram suspensas na sexta-feira, quando estavam previstas para começar.

O orçamento foi rejeitado novamente ontem, e Schwarzenegger anunciou que retomaria seu plano de demissões nesta terça-feira.

Além disso, Schwarzenegger anunciou a paralisação das obras de infraestruturas que ainda estavam em andamento na Califórnia.

O plano orçamentário de Schwarzenegger prevê a redução em US$ 15,1 bilhões da despesa em programas estaduais, uma alta de impostos temporária que permita arrecadar US$ 14,4 bilhões a mais e empréstimos no valor de US$ 11,4 bilhões. EFE fmx/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.