Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Cade pode obrigar Coca-Cola a se desfazer da marca Nestea

BRASÍLIA - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) iniciou na quarta-feira o julgamento da compra da Leão Júnior pela Coca-Cola e o relator do processo, conselheiro Paulo Furquim, votou pela venda da marca Nestea para um terceiro concorrente.

Valor Online |

O julgamento foi interrompido por pedido de vista do conselheiro Carlos Ragazzo, mas se prevalecer o voto de Furquim, que hoje exerce a presidência interina do Cade, a Coca-Cola terá de se desfazer de todo o negócio da marca Nestea de chás prontos para beber. Só assim a Coca poderia ficar com a marca Mate Leão.

"Essa condição significa tirar um quarto do mercado da Coca-Cola" , afirmou o advogado Sérgio Bruna, que defendeu a empresa ontem no Cade. A marca Nestea representa praticamente a metade da Mate Leão no mercado de chás, mates e guaranás prontos para beber.

Bruna afirmou que esse mercado possui diversas marcas, como os guaracopos - mates vendidos em copos plásticos em quiosques nas praias -, e a rivalidade entre elas é bastante acentuada. Em nota, a Coca-Cola informou que pretende colaborar com o Cade " prestando todas as informações que (o órgão) julgar necessárias para uma decisão quanto à aquisição da empresa Leão Júnior " .

A compra da Leão Júnior chegou aos órgãos antitruste em fevereiro de 2007. Na ocasião, a Coca-Cola argumentou que o chá mate é diferente dos " iced teas " tanto no sabor quanto na forma de consumo. O sabor do mate seria mais forte e amargo e a bebida seria usada para matar a sede. Já o " iced tea " , mais suave e doce, seria consumido nas refeições. O objetivo era diferenciar o Mate Leão do Nestea.

Mas para Furquim as duas marcas fortalecerão ainda mais a posição da Coca-Cola no mercado de bebidas não-carbonatadas, em que a empresa vem fazendo sucessivas aquisições. Segundo o relator, a Coca tem posição dominante no mercado de sucos prontos para beber, em que possui a Del Valle, e no de refrigerantes, com mais de 50% do mercado.

O problema, de acordo com ele, está no controle hierárquico das marcas Nestea e Mate Leão no segmento de chás prontos para beber. " Acho essa conclusão inafastável " , afirmou Furquim. Ele deu o exemplo de uma hipotética fusão entre as redes de fast food McDonald ? s e Burger King.

"Ninguém ficaria preocupado com os equipamentos das empresas, mas sim, com a junção dos ativos das marcas." O conselheiro usou ainda um exemplo no próprio mercado de bebidas, em que as grandes marcas de refrigerantes disputam com as tubaínas. "Imagino que todos ficariam atônitos com uma fusão entre a Coca e a Pepsi, mesmo com a participação grande das tubaínas" , disse.

Pelo voto do Furquim, a Coca-Cola teria de deixar as atividades da DTW no Brasil - a gerenciadora da marca Nestea. Seria contratado um banco de investimentos para avaliar a marca e os ativos da Nestea. Caso descumpra a decisão, a Coca ficaria sujeita à multa diária de R$ 50 mil.

Ragazzo pediu vista para requisitar mais informações sobre o negócio antes de chegar a uma conclusão final. Os outros conselheiros preferiram aguardar a chegada de novas informações. Não há prazo para o Cade retomar o julgamento.

Leia tudo sobre: coca-cola

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG