O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) assinaram hoje um acordo de cooperação para troca de informações, como dados técnicos e estudos setoriais, a respeito do setor mineral. A intenção da união entre as duas autarquias é a de tentar coibir a formação de cartel no setor e consequente controle de mercado.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) assinaram hoje um acordo de cooperação para troca de informações, como dados técnicos e estudos setoriais, a respeito do setor mineral. A intenção da união entre as duas autarquias é a de tentar coibir a formação de cartel no setor e consequente controle de mercado. O acordo permitirá ao DNPM obter informações de mercado repassadas pelo Cade e que tendem a melhorar o desempenho das funções regulatórias da autarquia. Já o Cade contará com esclarecimentos do DNPM sobre especificidades técnicas do setor. <p><p>"É fundamental que o DNPM e o Cade estejam alinhados nesta questão, pois, afinal, os minerais são recursos da União", considerou o diretor-geral do DNPM, Miguel Antonio Cedraz Nery, após a assinatura do documento. Ele ressaltou que alguns segmentos têm como característica a formação de oligopólios em função da grande necessidade de apresentar capital elevado e de fortes investimentos em tecnologia - o de mineração é um deles. Nery acrescentou, porém, que oligopólios são estruturas de mercados legais. "A grande preocupação é que não se tornem cartéis", enfatizou. "Por isso, detectamos a necessidade maior de intercâmbio de informações entre as autarquias", acrescentou.<p><p><b>Marco regulatório</b> <p><p>Para o diretor-geral do DNPM, a aprovação do novo marco regulatório para o setor será um passo importante para o desenvolvimento da mineração no Brasil. O projeto com as novas regras foi apresentado no mês passado pelo então ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, e precisa ser apreciado pelo Congresso. "O novo marco regulatório representará, sem dúvida, um grande avanço", avaliou.<p><p>A perspectiva de Nery é a de que o novo marco corroborará para que o estímulo à concorrência seja colocado em prática. "Vamos desburocratizar e tentar coibir algumas ações", disse, em relação à prática de algumas concessionárias de "sentar" sobre as lavras por anos sem necessariamente explorá-las economicamente. Se o projeto do governo for aprovado como foi apresentado, o DNPM será transformado em uma agência reguladora do setor. "A gestão mineral ganhará mais força com um órgão regulador, ganha mais eficácia", defendeu.
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.