Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bush encerrará mandato impopular entre os latino-americanos

O presidente americano, George W. Bush, encerrará seu mandato no dia 20 de janeiro com a popularidade baixíssima entre os latino-americanos, principalmente entre os habitantes do Cone Sul, segundo o estudo Latinobarômetro, divulgado nesta sexta-feira.

AFP |

"Bush começa seu segundo mandato presidencial com uma popularidade de 4,9 em 2005, que vai caindo aos poucos ao longo dos anos para 4,7 em 2006, 4,5 em 2007, e terminando a 4,2 em 2008", em uma escala de zero a dez, indica o estudo, que coletou dados em 18 países da região, onde foram entrevistdas mais de 20.000 pessoas.

"Os países onde a popularidade do presidente George W. Bush está melhor são Honduras (6,0) e El Salvador (5,9)", aponta o texto, publicado simultaneamente nesta sexta-feira em Santiago do Chile e San José.

"Em terceiro lugar vêm Colômbia, Panamá e Equador, com uma popularidade de 5,0. Em todos eles, a popularidade caiu desde 2005, seguindo a tendência geral da região", explica o Latinobarômetro, organização privada internacional sem fins lucrativos que há mais de uma década realiza este estudo anual.

Os habitantes do Cone Sul, com exceção do Paraguai, são os que têm a pior imagem do presidente americano.

"Os países onde Bush é pior avaliado estão no Cone Sul da América Latina: Argentina, Uruguai, Chile e Brasil. Lá, Bush tem uma avaliação mais negativa do que na Venezuela, onde obtém apenas 3,5", revela o estudo.

Dentro do Cone Sul, os países que pior avaliam Bush são Argentina (2,3) e Uruguai (2,5).

"O Paraguai é o único país onde a avaliação de Bush melhora (...) entre 2005 e 2008", destaca o Latinobarômetro.

Dois terços dos latino-americanos não quiseram dar sua opinião sobre qual candidato nas recentes eleições presidenciais americanas seria a melhor opção para a América Latina. "Um terço respondeu que daria no mesmo. E o outro terço disse que tudo vai continuar igual", apontam os pesquisadores.

Apenas 22% acreditam que o novo presidente Barack Obama "pode fazer uma diferença para a região".

fj/ap/sd

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG