Paris, 4 dez (EFE).- O comissário de Emprego da União Européia (UE), Vladimir Spidla, afirmou hoje que, em dois anos, o número de desempregados nos países do bloco deve aumentar em 3 milhões, quando se chegaria ao pico de desemprego pela crise atual.

"O pico virá em dois anos e o aumento do desemprego vai se traduzir em talvez três milhões de desempregados a mais", disse Spidla durante uma mesa-redonda organizada por ocasião do 50º aniversário da organização patronal européia Business Europe, em Paris.

Com isso, a alta da taxa de desemprego deverá chegar a entre 1,2 e 2 pontos percentuais, segundo o comissário, que lembrou que atualmente já há 16 ou 17 milhões de pessoas desempregadas nos países da UE.

Em suas perspectivas econômicas divulgadas no mês passado, a Comissão Européia (CE, órgão executivo da UE) revelou que a taxa de desemprego atual passaria de 7,5% na zona do euro e de 7,1% no conjunto da EU, para 8,7% e 8,1%, respectivamente, em 2010.

"Haverá problemas bastante graves em algumas regiões", previu Spidla, sem citar nomes concretos.

Ele acrescentou que atualmente, na Espanha, o desemprego está em "pleno crescimento", enquanto em certas regiões da Alemanha diminui.

O responsável europeu insistiu que o agravamento da situação do desemprego "não será uniforme" na UE, e que alguns países sofrerão mais.

Spidla afirmou que a atual crise é "ao mesmo tempo, conjuntural e estrutural", e insistiu que "a paz social é uma base necessária para reformar e para superar esta crise".

O 50º aniversário da Business Europe reúne hoje e amanhã em Paris os máximos responsáveis das principais organizações patronais da Europa, que esta tarde foram recebidos no Palácio do Eliseu pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy.

Amanhã, eles terão um encontro com o presidente da CE, José Manuel Durão Barroso.

Nessas reuniões, a Business Europe pretende comunicar as prioridades do mundo empresarial de olho no Conselho Europeu de Bruxelas, entre 11 e 12 de dezembro, que marcará o fim do semestre da Presidência francesa da UE. EFE ac/ab/plc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.