Tamanho do texto

O operador britânico de aeroportos BAA, filial do grupo espanhol Ferrovial, afirmou neste sábado que espera que as autoridades da concorrência aconselhem o grupo a vender alguns dos sete aeroportos que controla.

"De acordo com tudo que venho escutando, as autoridades darão esta recomendação", declarou o presidente da companhia, Nigel Rudd, à BBC, entrevistado sobre a publicação no início da próxima semana das conclusões da Comissão da Concorrência.

Segundo a BBC, esta comissão vai considerar que não é de interesse público que a BAA continue administrando sete aeroportos britânicos: três perto de Londres (Heathrow, Gatwick e Stansted), três escoceses (Edimburgo, Glasgow e Aberdeen) e um na costa inglesa (Southampton).

Segundo o Financial Times desta sábado, que cita fontes próximas, as recomendações da comissão podem significar que a BAA tenha que ceder dois de seus três aeroportos londrinos.

Rudd, no entanto, afirmou que isto "não seria uma catástrofe" para a companhia. A BAA vem sendo cada vez mais criticada por sua situação quase monopólio, especialmente por ser proprietária de três dos cinco aeroportos da capital britânica.

Mas a concorrência não seria melhorada com a venda de algum de seus aeroportos de Londres, segundo Rudd.

"Heathrow não concorre com Gatwick nem Stansted (...) Compete com Charles de Gaulle (Paris), com Dubai ou com Schiphol (Amsterdã), porque são grandes plataformas internacionais e sua propriedade não tem nada a ver com a concorrência", afirmou Rudd.

A BAA, ex-monopólio de Estado privatizado em 1987 e comprado em 2006 pelo consórcio espanhol Ferrovial, acumula importantes dívidas.

lv/lm