Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Brent fecha em baixa de 1,35%, aos US$ 85,99

Londres, 16 abr (EFE).- O preço do barril do petróleo Brent mudou hoje de rumo em relação aos dois últimos dias no mercado de futuros de Londres e, afetado pela revalorização do dólar frente ao euro, fechou a US$ 85,99, baixa de 1,35%.

EFE |

Londres, 16 abr (EFE).- O preço do barril do petróleo Brent mudou hoje de rumo em relação aos dois últimos dias no mercado de futuros de Londres e, afetado pela revalorização do dólar frente ao euro, fechou a US$ 85,99, baixa de 1,35%. O barril de petróleo do Mar do Norte, de referência na Europa, para entrega em junho fechou a semana no Intercontinental Exchange Futures (ICE) a US$ 1,18 menos que no pregão anterior, quando terminou a US$ 87,17. O preço máximo negociado foi de US$ 87,57, enquanto o mínimo chegou aos US$ 85,12. O euro caiu hoje frente ao dólar no mercado de divisas de Frankfurt pelo segundo dia consecutivo, lastrado pelas dúvidas que planejam sobre a Grécia, o que afetou o preço da maioria das matérias-primas cotadas em dólares. A moeda europeia era negociada a US$ 1,3488, frente a US$ 1,3580 de ontem. Apesar do barril do Brent ter alcançado esta semana a maior alta dos últimos dois meses (de 1,7% na quarta-feira passada), os investidores pareciam não confiar demais na solidez da recuperação econômica. Pesavam hoje no ânimo dos investidores os dados econômicos ruins conhecidos na quinta-feira vindos dos EUA, já que os pedidos de seguro-desemprego cresceram esta semana em 24 mil, para 484 mil, e a produção industrial só aumentou em março 0,1%, muito abaixo de 0,7% previsto pelos analistas. Estes dados estenderam o temor de que a recuperação econômica dos EUA, o maior consumidor mundial de petróleo, possa ser mais lenta que o esperado. A queda generalizada das bolsas, após o regulador da bolsa dos Estados Unidos ter acusado de fraude o banco Goldman Sachs pela venda de produtos derivados das hipotecas subprime, também afetou a cotação do barril do Brent. EFE sga/ma
Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG