Tamanho do texto

Londres, 3 mai (EFE).- O preço do barril do Brent subiu hoje 1,7% até os US$ 88,94 no mercado de Londres, em um dia no qual chegou a máximos não vistos em dois anos, afetado pelo andamento do vazamento de petróleo no Golfo de México.

Londres, 3 mai (EFE).- O preço do barril do Brent subiu hoje 1,7% até os US$ 88,94 no mercado de Londres, em um dia no qual chegou a máximos não vistos em dois anos, afetado pelo andamento do vazamento de petróleo no Golfo de México. O barril de petróleo do Mar do Norte, de referência na Europa, para entrega em junho acabou o dia no Intercontinental Exchange Futures (ICE) a US$ 88,94, US$ 1,5 a mais que ao término do pregão anterior, quando ficou em US$ 87,44. O preço máximo negociado hoje foi de US$ 89,58 enquanto o mínimo chegou aos US$ 87,16. A incerteza da evolução da mancha de petróleo no litoral americano do Golfo do México teve muito que a ver na cotação do Brent. A companhia petrolífera britânica BP assegurou hoje que tomará "todas as medidas possíveis" para conter a expansão do vazamento e pagará, além disso, as reivindicações legítimas por danos. O desastre é visto pelos analistas como uma variável na negociação em alta dos preços do petróleo já que poderia originar, potencialmente, interrupções de provisão a curto prazo. Nos últimos dias, o preço do barril experimentou uma marcada tendência de alta no mercado graças, também, aos bons resultados da economia americana conhecidos no final de semana. A despesa dos consumidores americanos cresceu 0,5% em março, mais do previsto, e a renda pessoal 0,2%, o que contribuiu para que Wall Street abrisse hoje com lucro. A situação crítica que vive a Grécia é outro dos elementos levados em conta nos últimos dias nestas negociações do Brent. A este respeito, finalmente, os países da zona do Euro, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional (FMI) concordaram no domingo em dar ao país créditos brandos por US$ 110 bilhões de euros para os próximos três anos. EFE prc/pb

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.