O presidente da Braskem, Bernardo Gradin, classifica como "pouco provável" a participação da companhia na formação de um novo consórcio para a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte. "Não é impossível, mas, particularmente, acho muito difícil.

O presidente da Braskem, Bernardo Gradin, classifica como "pouco provável" a participação da companhia na formação de um novo consórcio para a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte. "Não é impossível, mas, particularmente, acho muito difícil. Apesar de continuarmos interessados, não temos nenhum avanço, nesse momento, em relação a Belo Monte", disse.<p><p>Gradin salientou que a companhia mantém seu interesse em investir na área de energia, como estratégia para se tornar autoprodutora. "Há vários projetos alternativos em desenvolvimento pelo Ministério de Minas e Energia, que devem entrar em leilão nos próximos dois ou três anos. Pretendemos participar para assegurar nossa competitividade ou corremos o risco de pagar uma energia muito cara no futuro", afirmou, em evento promovido pelo jornal Valor Econômico na noite de ontem, em São Paulo.
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.