Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Brasileiro quer que governo salve empresas para manter empregos

BRASÍLIA - O governo deve usar recursos públicos para salvar empresas e preservar empregos na crise, opinaram 74,2% dos entrevistados pelo Instituto Sensus. Em pesquisa de janeiro divulgada hoje, 50% concordaram com redução de jornada e salário, já que também a maioria (56,5%) conhece alguém demitido por efeito da crise financeira mundial.

Valor Online |

Na visão do presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Clésio Andrade, a aprovação recorde do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu governo é exatamente por temor à crise.

" A população tem clara percepção da crise, vê o desemprego avançando, mas tem Lula como âncora da esperança de que a crise é passageira " , comentou Andrade.

Ele cita que esse comportamento pode ser percebido pela piora na avaliação conjuntural, onde 38,5% disseram que a situação se agravou. Em dezembro, tal visão negativa era compartilhada por 28,1% dos 2 mil entrevistados.

Contraditoriamente, a maioria tem expectativas positivas para os seis meses à frente. Por exemplo: aumentou de 47,3% para 52,2% o montante que respondeu que a oferta de emprego vai melhorar, com recuo de 24,4% para 20,3% dos que afirmaram que vai piorar.

Outras variáveis como renda mensal, educação, saúde e segurança pública também tiveram aumento na expectativa da população para o próximo semestre.

" É onde se demonstra a esperança da população nas medidas e no discurso positivo do presidente Lula " , avaliou Andrade. " O discurso de Lula é muito forte, cria esperança, divide o ônus e as pessoas creem que a crise pode ser passageira " , concluiu o presidente da CNT.

O levantamento CNT/Sensus foi realizado entre os dias 26 e 30 de janeiro, apontando que 84% aprovam o desempenho pessoal de Lula, ante 80,3% na pesquisa anterior. A marca cobre até o melhor índice que Lula tinha obtido ao assumir o governo, em janeiro de 2003, de 83,6%.

Também a avaliação positiva do governo atingiu o recorde de 72,5%, ante 71,1% em dezembro de 2008.

(Azelma Rodrigues | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG