SÃO PAULO - O Brasil precisa começar a construir aeroportos amanhã para ter condições de realizar sem problemas a Copa do Mundo de Futebol de 2014. Atualmente, o país já está cerca de dois anos atrasado no esforço de melhorar sua infra-estrutura aeroportuária para suportar o aumento na demanda que ocorrerá no período do evento. A avaliação é da Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), que estima que a pior situação é a da cidade de São Paulo.

São Paulo precisa resolver seu problema de aeroportos, construindo um novo, imediatamente. Caso contrário, não terá condições de ser uma das cidades sede da Copa, como pretende, afirma o vice-presidente da Abag, Adalberto Febeliano.

Segundo ele, a entidade avalia que o país receberá 500 mil turistas estrangeiros para a Copa em 2014. Com uma média de quatro viagens internas, entre as cidades-sede, por pessoa, haverá um adicional de 4 milhões de embarques no mês de duração do evento. Esse é o volume mensal atual médio no país, ou seja, o tráfego dobraria durante o período da competição.

Essa, inclusive, é uma avaliação bastante conservadora. Além disso, não leva em consideração o aumento no tráfego de passageiros brasileiros, que irão também se deslocar para ver vários jogos, afirma Febeliano. Não é preciso ter curso de engenharia de aeroportos para saber que não há hoje capacidade para atender esse aumento na demanda, acrescenta.

A Abag avalia que, entre o anúncio da construção de um aeroporto e sua conclusão, corre um período de entre 6 e 8 anos. Assim, na pior das hipóteses, o país já estaria dois anos atrasado para melhor adequar sua infraestrutura.

Temos que começar a investir amanhã em aeroportos. Caso os investimentos não venham, o sistema entrará em colapso, afirma Febeliano. Se deixarmos para daqui quatro anos a decisão de construir novos aeroportos, o país não terá condições de receber a Copa, como parece estar ocorrendo com a África do Sul, diz ele, se referindo ao país sede da próxima Copa do Mundo e os problemas enfrentados pelos sul-africanos que, muitos acreditam, colocam em risco a realização do evento.

Febeliano, que está deixando a Abag para trabalhar na nova companhia aérea brasileira, a Azul Linhas Aéreas, participou hoje do lançamento da Latin American Business Aviation Conference & Exhibition (Labace), feira de aviação executiva promovida pela entidade, que será realizada entre 14 e 16 de agosto em Congonhas.

(José Sergio Osse | Valor Online)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.