Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Brasil sobe oito posições em ranking de competitividade, liderado pelos EUA

(corrige título) Genebra, 8 out (EFE).- Apesar da atual crise financeira, os Estados Unidos são o país mais competitivo do mundo, segundo o relatório anual do Fórum Econômico Mundial (FEM), enquanto o Brasil subiu oito posições, passando do 72º ao 64º lugar.

EFE |

O relatório diz que a economia americana é capaz de suportar as mudanças no ciclo econômico e os episódios de choque.

Isso graças a "características estruturais que a tornam extremamente produtiva", sustenta o documento publicado hoje em Genebra.

O documento acrescenta que "apesar das preocupações por suas fragilidades macroeconômicas, especialmente no setor bancário, outros aspectos seguem fazendo dos EUA muito produtivo".

O documento destaca a capacidade americana de inovação, embora reconheça que esse país gerou importantes desequilíbrios macroeconômicos por repetidas situaçõesa de déficit fiscal, que lhe levaram a grandes níveis de endividamento público.

Na lista de competitividade elaborada pelo FEM, a Suíça ocupa o segundo lugar, seguida por Suécia, Finlândia, Cingapura, Alemanha, Holanda, Japão e Canadá.

Para o professor Xavier Sala-i-Martin, co-autor do estudo, a volatilidade financeira atual "ressalta que um ambiente econômico propício à competitividade pode ajudar as economias nacionais a combater este tipo de choque".

O relatório do FEM é elaborado a partir de dados públicos mais uma pesquisa de opinião entre 12 mil executivos e empresários em 134 países que integram a lista de competitividade.

Entre os fatores, figuram a situação das instituições, infra-estruturas, estabilidade macroeconômica, saúde, educação, eficiência do mercado de trabalho e inovação, entre outros.

Entre as nações emergentes, destaca-se a China, no 30º lugar, enquanto a Índia aparece em 50º, a Rússia em 51º e o Brasil em 64º.

A subida de oito lugares do Brasil em relação ao ranking de 2007, tirou "parcialmente a diferença de competitividade com relação ao México", que está em 60º.

Entre as vantagens que atribuidas ao Brasil encontram-se "o tamanho de seu mercado, o acesso a um dos mercados financeiros mais sofisticados da região e sua capacidade de absorver e adaptar tecnologia estrangeira".

Como desafios que deve enfrentar, o FEM menciona o alto nível da dívida brasileira, o que causa taxas de poupança e altos juros, além da desconfiança do meio empresarial nas instituições públicas.

Apesar dos avanços do Brasil, o Chile é o país latino-americano com melhor índice de competitividade, em 28º lugar, seguido de longe por Panamá (58º) e Costa Rica (59º).

O êxito do Chile -afirmam os analistas deve-se a uma "gestão macroeconômica coerente associada a liberalização do mercado e abertura do comércio".

Na contramão do Brasil, o México (60º) perdeu oito posições, tendo como principais problemas a fraqueza das instituições públicas, a violência crescente, a rigidez do mercado de trabalho e a baixa qualidade do sistema educacional.

Este último fator - explica o FEM - "não fornece à economia mão-de-obra qualificada, principalmente científica e de engenharia".

EFE is/jp

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG