Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Brasil se compromete a aumentar compra de gás da Bolívia, diz ministro

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse no começo da noite que o Brasil deve aumentar a importação de gás da Bolívia a partir deste sábado(10), com a entrada em operação das termelétricas de Araucária, no Paraná, e de Canoas, no Rio Grande do Sul.

Agência Brasil |

A decisão contraria medida tomada de manhã quanto à redução do uso diário de gás nos limites atuais de 19 milhões de metros cúbicos por dia.  

Lobão disse que não houve recuo em relação à decisão anterior. Segundo o ministro, o que houve foi a constatação de uma nova realidade apresentada pelo presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, quanto à necessidade das duas termelétricas entrarem em funcionamento por causa da estiagem na Região Sul. Isso significa que haverá aumento de 19 milhões de metros cúbicos para algo em torno de 23 milhões a 24 milhões de metros cúbicos diários.

O Brasil tem com a Bolívia um acordo de consumo diário de até 31 milhões de metros cúbicos de gás e se obriga a pagar por pelo menos 80% deses volume, usando-o ou não. Como o consumo estava em torno de 19 milhões, o Ministério de Minas e Energia acenou com a possibilidade de manter esse nível de uso, o que surpreendeu a missão boliviana que chegou hoje ao Brasil.

A missão é chefiada pelo ministro do Planejamento, Carlos Villegas, que alegou o fato de o governo boliviano não ter sido notificado sobre a redução das importações pelo Brasil. Ao deixar o ministério, Villegas ressaltou a integração estratégica entre Brasil e Bolívia na área energética e disse que tudo tinha ficado bem esclarecido.

Leia mais sobre gás da Bolívia 

Leia tudo sobre: gás

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG