Brasília, 19 jan (EFE).- O Brasil registrou no ano passado 1,45 milhão de novos postos de trabalho formais, uma redução na geração de emprego de 10,2% a respeito de 2007, divulgou hoje o Registro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho.

O organismo estatal, em seu relatório anual, destacou as perdas de novos empregos formais em novembro e dezembro, que incidiram no balanço geral.

Entre janeiro e outubro, antes do agravamento da crise financeira global, tinham sido criados 2,1 milhões de postos formais de emprego.

Em novembro se perderam 40.000 novos postos de trabalho e esse número subiu drasticamente em dezembro para 652.000.

Em 2007, com um recorde histórico anual, foram criados 1,61 milhão de empregos no país e o registro de 2008 foi também inferior ao de 2004, quando foram abertos 1,52 milhão de novos postos de trabalho.

Ao comentar os resultados, o ministro do Trabalho, Carlos Lupi afirmou que o Governo mantém para 2009 a meta de criar 1,5 milhão de empregos.

Lupi considerou que os meses de janeiro e fevereiro, tradicionalmente "fracos" na geração de emprego, vão ter novas vagas.

"O grande foco é a indústria de transformação", afirmou o ministro, destacando a redução de impostos dada pelo Governo brasileiro para a compra de automóveis novos e usados.

O ministro disse que o Banco Central reduzirá ainda mais a taxa básica de juros Selic, para ajudar uma recuperação econômica e enfrentar a crise. EFE wgm/ma

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.