Tamanho do texto

LA PAZ - O Brasil reduziu para quase a metade sua demanda de gás boliviano, ao passar de 31 para 17 milhões de metros cúbicos diários, informaram fontes do Governo e do setor petrolífero da Bolívia.

Desde o princípio de janeiro, a redução foi paulatina até alcançar nesta terça-feira os 17 milhões, contra os 31 milhões que recebia como média diária durante o ano passado, indicaram fontes das empresas petrolíferas.

A baixa se concretiza dias depois de a Petrobras anunciar que reduziria a importação de gás boliviano por uma possível queda em sua demanda industrial no começo do ano, segundo a imprensa boliviana.

A redução influirá nas entradas econômicas da Bolívia, que tem no Brasil seu principal cliente de hidrocarbonetos.

Uma fonte do Ministério de Hidrocarbonetos indicou à Efe que a redução na demanda está sendo analisada "ao mais alto nível no Governo", que pode se pronunciar oficialmente nas próximas horas, após uma reunião do Gabinete marcada para esta quarta-feira.

A fonte indicou que o Brasil é obrigado por contrato a comprar da Bolívia pelo menos 24 milhões de metros cúbicos diários de gás, ou a pagar a diferença.

Por essa mesma condição contratual, a Bolívia se viu forçada no ano passado a enviar ao Brasil o máximo demandado de 31 milhões de metros cúbicos, o que gerou uma redução da exportação à Argentina.

O diário "La Razón", de La Paz, assinalou hoje que, apesar da redução da demanda do Brasil, a Argentina também não aumentou seu pedido por gás boliviano, que se mantém em cerca de 2 milhões de metros cúbicos, quando em 2008 chegou a ser de 6 milhões.

Atualmente, a Bolívia cobra US$ 9 por milhão de Unidades Térmicas Britânicas (BTU), enquanto o preço para a Argentina é de US$ 10,3.