O governo de Fernando Lugo, do Paraguai, receberá o primeiro não oficial do Brasil à sua ambição de reabrir o Tratado de Itaipu. A negativa será expressa hoje pelo chanceler Celso Amorim a seu novo colega paraguaio, Alejandro Hamed, durante encontro no Itamaraty.

Mas será acompanhada por uma diplomática ponderação: o governo brasileiro estaria propenso a analisar uma "melhor compensação" ao Paraguai e a impulsionar investimentos brasileiros no país vizinho.

Em contrapartida, Amorim deverá tocar um tema sensível nas relações bilaterais - a aprovação de Lugo ao Acordo sobre Residência para Nacionais dos Estados Partes do Mercosul, que poderá pôr fim às recorrentes ameaças aos cerca de 200 mil brasileiros que vivem no Paraguai.

"O Tratado de Itaipu foi concebido para objetivos determinados e não deve ser modificado", afirmou Amorim ontem, ao ser indagado pela imprensa no Itamaraty. "Isso não quer dizer que não possamos tentar encontrar maneiras de compensar melhor o Paraguai e de continuar estimulando, talvez em um grau ainda maior, os investimentos brasileiros naquele país."

Assinado em 1973, o Tratado de Itaipu tornou-se munição na política interna do Paraguai nos últimos quatro governos. Durante sua campanha eleitoral, o ex-bispo Fernando Lugo valeu-se exaustivamente da necessidade de arrancar do Brasil a mudança nos termos do documento, como meio de seduzir o eleitorado. Já eleito, em maio passado, Lugo antecipou que pretendia receber anualmente US$ 1,5 bilhão pela parcela da energia elétrica paraguaia gerada em Itaipu e vendida ao Brasil. A cifra é 5,5 vezes maior que a desembolsada pelo Brasil desde o início de 2007, de US$ 275 milhões ao ano.

O governo brasileiro repetiu respostas negativas aos pleitos de revisão do Tratado. Resiste especialmente a qualquer mudança no artigo 13, que prevê que a energia gerada em Itaipu seja compartilhada somente pelos seus dois sócios. Dessa forma, opõe-se à ambição de Lugo de vender a cota de energia paraguaia a outros vizinhos, entre os quais a Argentina. O governo Lula, entretanto, se manteve aberto às negociações de fórmulas de compensação, até mesmo as que envolvem o anexo C do Tratado, que define o cálculo do preço da energia vendida pelo Paraguai ao Brasil.

Em Brasília, Hamed vai ouvir que o governo brasileiro analisará as propostas que o governo Lugo venha a apresentar - desde que tenham bases reais. A última mudança no anexo C deu-se no início de 2007. Em maio passado, como forma de se contrapor às pressões de Lugo, o Brasil ofereceu sua cooperação em 14 áreas e reforçou sua intenção de construir a linha de transmissão de energia entre a Hidrelétrica de Itaipu e Assunção, ao custo de US$ 350 milhões.

Na primeira conversa entre Amorim e Hamed serão tratados ainda a denúncia de um golpe de Estado em gestação, apresentada nesta semana pelo próprio presidente paraguaio. Também será costurado um possível encontro entre Lugo e o presidente Lula em paralelo à abertura dos trabalhos da Assembléia-Geral das Nações Unidas, no próximo dia 23.

Mas a preocupação brasileira estará centrada na questão dos brasiguaios, alvo de críticas de Lugo em sua campanha. Ao aprovar o Acordo sobre Residentes do Mercosul, estaria aberta a possibilidade de reconhecimento do direito dos brasiguaios à propriedade da terra. Aprovado pelo Congresso paraguaio, o acordo descansa ainda na gaveta de Lugo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.