Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Brasil faz acordo com Costa Rica para produzir biodiesel de mamona

Brasília, 30 - Mais de quatro meses depois de a Agência Nacional de Petróleo (ANP) concluir que a mamona isoladamente não serve para produção de biodiesel por ser viscosa demais, o governo brasileiro fez hoje um acordo de cooperação com a Costa Rica para desenvolver justamente biodiesel de mamona. O texto, assinado pelos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Oscar Arias, da Costa Rica, prevê a capacitação de técnicos para produção de combustíveis alternativos naquele país, incluindo o desenvolvimento das tecnologias com mamona e mandioca.

Agência Estado |

Carro-chefe da política de biodiesel do presidente Lula - que citou a planta várias vezes como a saída para dezenas de famílias pobres - a mamona foi desclassificada pela ANP em uma resolução publicada em março desse ano, mas que só veio a público este mês. A resolução diz que o biodiesel produzido de mamona é viscoso demais para ser usado para adição no diesel normal e só poderia ser aproveitado se combinado com os óleos produzidos de soja, pinhão manso ou algodão. Mesmo assim, pode representar apenas 20% da mistura, já que a viscosidade do óleo de mamona pode ser entre cinco e 10 vezes maior do que o considerado ideal pela ANP.

O Ministério das Relações Exteriores, no entanto, parece não ter sido informado da desclassificação da mamona e a manteve no texto, o que causou certo embaraço na cerimônia de assinatura de acordos - pelo menos do lado brasileiro, já que os costarriquenhos ainda não sabem do fato. Um ministro presente ao evento revelou que, provavelmente, nem mesmo o Ministério da Agricultura sabia o texto do acordo, já que o Itamaraty não costuma checar todos os dados com as áreas correspondentes.

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG