Sem a perspectiva de uma conclusão da Rodada Doha em 2010, Brasil e Europa buscam alternativas para promover o comércio e fechar um entendimento ainda neste ano. Na sexta-feira, o Mercosul e a UE concluíram a primeira reunião técnica para tentar garantir que, em maio, um acordo de base seja assinado entre os dois blocos.

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=economia%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237562638633&_c_=MiGComponente_C

O tratado final ficaria para o segundo semestre. Enquanto isso, a Organização Mundial do Comércio (OMC) se reúne a partir de hoje para decidir o que fazer com a moribunda Rodada Doha. Em total impasse, a negociação não consegue produzir resultados há anos e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve concluir seu mandato sem ver o fim do processo na OMC.

O G-20 havia decidido que a rodada deveria estar concluída em 2010. Mas o governo americano se recusa a apresentar propostas das concessões que estaria disposto a fazer para abrir seu mercado e reduzir subsídios.

Sem uma posição americana clara, China, Índia e Brasil já declararam que não farão novas concessões de abertura de seus mercados. Nos próximos cinco dias, o diretor-geral da OMC, Pascal Lamy, tentará estabelecer uma agenda de trabalho para a entidade. Mas muitos alertam que apenas um milagre permitiria a conclusão da Rodada Doha neste ano. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.