Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Brasil e Marrocos vão criar comissão para promover comércio

Rabat, 30 jan (EFE).- Brasil e Marrocos assinaram um acordo para a constituição de um comitê misto para a promoção do comércio e do investimento entre os dois países, informou hoje o ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior brasileiro, Miguel Jorge.

EFE |

O titular marroquino de Comércio Exterior, Abdelatif Maazuz, e Jorge assinaram um protocolo a este respeito em Casablanca, Marrocos, em paralelo a um fórum empresarial que reúne homens de negócios dos dois países.

O novo comitê, que deverá se reunir alternativamente nos dois países, tem o objetivo, entre outros, de promover a troca de informação entre os setores público e privado marroquinos e brasileiros para proporcionar um impulso à cooperação comercial e financeira bilateral.

As trocas entre os dois países experimentaram nos dois últimos anos um crescimento de 25%, como lembrou Maazuz, segundo a agência oficial "MAP".

Neste sentido, acrescentou que os campos nos quais deve-se potencializar uma maior cooperação são indústria agrícola, tecnologias de comunicação, automóvel e aeronáutica.

Por sua parte, Jorge, à frente de uma delegação de uma centena de pessoas, ressaltou que as oportunidades de negócio entre Marrocos e Brasil são múltiplas e que é uma responsabilidade comum fazer todos os esforços para materializá-las no terreno.

As exportações marroquinas ao Brasil aumentaram ano passado 114,9%, para passar de US$ 532,4 milhões em 2007 para US$ 1,140 bilhão em 2008.

As exportações brasileiras ao país árabe, por sua parte, subiram de US$ 438,1 milhões em 2007 para US$ 511,1 milhões no ano passado, ou seja, alta de 16,7%.

Marrocos exporta ao Brasil matérias-primas para a fabricação de adubos - principalmente fosfatos -, produtos alimentícios e circuitos integrados.

Enquanto isso o Brasil vende aos marroquinos açúcar, soja em grão, óleo de soja e tratores.

Jorge termina com sua visita de hoje ao Marrocos uma viagem pela região que já o levou à Líbia, Argélia e Tunísia. EFE er/ma

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG