As agências governamentais do Brasil e dos Estados Unidos são as que mais requisitam à Google Inc. informações sobre os usuários de seus serviços e também as que mais pedem remoção de conteúdo.

As agências governamentais do Brasil e dos Estados Unidos são as que mais requisitam à Google Inc. informações sobre os usuários de seus serviços e também as que mais pedem remoção de conteúdo. Com base nos dados de uma nova ferramenta de mapeamento, a Google decidiu expor quantos pedidos de dados de usuários considerados suspeitos em investigações criminais e de remoção de conteúdo são feitos por país. A exceção é a China, onde, segundo a Google, a divulgação de tais números seria ilegal. A empresa alega que sua intenção é "expor o crescimento problema da censura na internet". De acordo com a ferramenta, de 1º de julho a 31 de dezembro do ano passado, o Brasil fez o maior número de pedidos de acesso a informações de usuários (3.663), seguido pelos Estados Unidos (3.580). O Brasil também lidera o ranking de requisições de remoção de conteúdo, com 291 pedidos, seguido por Alemanha, Índia e Estados Unidos. As porcentagens referentes a pedidos relacionados a investigações da Justiça, no entanto, ainda não estão disponíveis. Um porta-voz da Google afirmou que a companhia tem planos de compartilhar dados referentes à porcentagem dos pedidos de informações que são feitos no âmbito de informações criminais, "mas ainda não foi encontrada a melhor forma de caracterizar os dados". A decisão da Google ocorre em um momento no qual grupos de defesa do direito à privacidade exigem que as empresas do setor de internet sejam mais transparentes quanto aos dados que compartilham e não compartilham com os governos dos países onde atuam, assim como aquilo que aceitam censurar. As informações são da Dow Jones.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.