Brasil e China pretendem lançar um plano de ação da parceria estratégica durante visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Pequim. O foco estaria no equilíbrio do comércio bilateral, no aumento do fluxo de investimentos e na cooperação tecnológica.

O discurso, porém, se mostra incoerente com a investigação brasileira de dumping na importação de calçados chineses e a desistência da Baosteel em construir siderúrgica do Espírito Santo. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.