Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bradesco obtém lucro 3,4% maior no ano até setembro, de R$ 6,015 bi

SÃO PAULO - O Banco Bradesco verificou lucro líquido de R$ 6,015 bilhões entre janeiro e setembro deste ano, incluindo eventos extraordinários. O resultado representa uma ampliação de 3,4% perante os R$ 5,817 bilhões obtidos nos primeiros nove meses de 2007.

Valor Online |

"Quanto à origem, o lucro líquido é composto de R$ 3,917 bilhões, proveniente das atividades financeiras, no valor correspondente a 65% do total, e de R$ 2,098 bilhões gerados pelas atividades do Grupo Bradesco de Seguros e Previdência, montante que representa 35% do total", ressaltou a instituição em nota em sua página eletrônica.

Ajustado, o banco teve lucro líquido de R$ 5,819 bilhões nos primeiros nove meses de 2008, excedendo em 8,6% os R$ 5,356 bilhões somados em intervalo correspondente do exercício antecedente.

Apenas entre julho e setembro deste ano, o lucro líquido foi de R$ 1,910 bilhão. No segundo trimestre de 2008, verificou ganho de R$ 2,002 bilhões.

"O lucro líquido no 3º trimestre de 2008 foi impactado negativamente por menores ganhos na margem financeira no resultado de não juros (R$ 475 milhões), compensado parcialmente por reversão de provisões (R$ 186 milhões), decorrente de êxito obtido em processos fiscais, classificados em outras receitas operacionais", comentou o Bradesco na nota.

Em setembro deste ano, os ativos totais do banco somavam R$ 422,706 bilhões, com elevação de 33,1% no confronto com mesmo intervalo de 2007. A carteira de crédito incluindo avais, fianças, valores a receber com cartão de crédito e cessão de crédito (FIDC) alcançou R$ 197,250 bilhões no fim de setembro, um acréscimo de 40,8% em 12 meses. As operações com pessoas físicas totalizaram R$ 69,984 bilhões, crescimento de 28,7%, enquanto as operações com pessoas jurídicas atingiram R$ 127,266 bilhões, expansão de 48,5%.

Sobre o caso de derivativos indexados à variação cambial relativos à posição própria, o Bradesco disse que essas operações são realizadas com o objetivo de proteger (hedge) as atividades do banco, "substancialmente os investimentos no exterior (agências e subsidiárias)". "É importante destacar que tais operações não são realizadas com objetivos especulativos e sim visando apenas o casamento de ativos e passivos", observou.

(Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG