Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

BPN é nacionalizado por Governo de Portugal após erros de gestão na África

Lisboa, 3 nov (EFE).- O Banco Português de Negócios (BPN), instituição financeira que o Governo de Portugal decidiu nacionalizar, atua no exterior apenas através de uma filial brasileira, mas seus maiores erros foram cometidos na África.

EFE |

Fontes do banco explicaram hoje à Agência Efe que a entidade iniciou suas operações na América Latina de forma modesta em 2003 através do BPN Brasil Banco Múltiplo, com sede em São Paulo e do qual detém 80% do capital.

O restante está nas mãos da maior instituição financeira privada de Angola, o Banco Africano de Investimentos (BAI), criado em Luanda em 1966.

No entanto, os principais problemas que levaram o BPN à beira da bancarrota e à nacionalização remontam a outra operação na África, a compra, em 2002, do Banco Insular de Cabo Verde.

O BPN não informou sobre a aquisição ao regulador português, como lembra hoje a imprensa de Portugal, e foi através desta filial que foram feitas as operações que levaram a entidade a números vermelhos.

O BPN foi posto hoje sob supervisão de dois administradores do Governo português, enquanto sua nacionalização tramita no Parlamento, onde o Executivo tem maioria absoluta.

O ministro das Finanças português, Fernando Teixeira dos Santos, que anunciou ontem a decisão de propor ao Parlamento a nacionalização do BPN, explicou que o banco tem prejuízos acumulados próximos a 700 milhões de euros e está em "situação de iminente moratória".

Segundo o ministro, mais da metade deste rombo provém de operações do BPN através do banco que comprou em Cabo Verde.

O presidente do Banco (central) de Portugal, Vitor Constâncio, explicou que foi após esta transição que se detectou um amplo conjunto de créditos e compras de ativos que não foram registrados na contabilidade do BPN.

A existência dos ativos ilegais vazou no ano passado, e o Banco de Portugal abriu seis processos de investigação que tramitam atualmente na Promotoria portuguesa.

Fontes oficiais relataram hoje à Efe que a questão do BPN não tem a ver com a atual crise financeira internacional, dado também destacado pelo ministro das Finanças, que também lembrou a boa saúde do sistema bancário de Portugal.

O BPN, com sede social no Porto mas controlado de Lisboa, finalizou 2007 com ativos líquidos de 8,025 bilhões de euros, crescimento anualizado de 11,1%, e resultado líquido de 56,7 milhões de euros. EFE arm/wr/fal

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG