Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa tomba 7,59%, maior queda desde 11/09/2001

O temor de um risco sistêmico com o pedido de concordata do banco de investimentos Lehman Brothers nos Estados Unidos e a venda do Merrill Lynch para o Bank of America, além dos problemas enfrentados pela seguradora americana AIG, promoveram uma fuga do risco nos mercados globais. As bolsas desabaram pelo mundo, significando para a Bovespa o maior tombo porcentual em mais de sete anos.

Agência Estado |

Apenas duas ações do índice Bovespa (Ibovespa) fecharam em alta hoje, e as vendas decorreram, além da fuga dos estrangeiros, do tombo do preço das matérias-primas (commodities) com os investidores à procura de títulos do Tesouro americano (Treasuries) e ativos menos arriscados.

O Ibovespa despencou 7,59%, a maior queda desde 11 de setembro de 2001, quando havia recuado 9,17%. Em pontos, o Ibovespa retornou aos 48 mil pontos, para 48.416,33 pontos. Na máxima do dia, registrada na abertura, o índice operou praticamente estável, aos 52.386 pontos (-0,01%) e, na mínima, tocou os 48.409 pontos (-7,60%). No mês, a Bolsa acumula perdas de 13,05% e, no ano, de 24,21%. O giro financeiro somou R$ 6,57 bilhões, dos quais R$ 1,167 bilhão são do vencimento de opções sobre ações.

Antes da abertura do pregão regular, ainda no pré-mercado, o índice futuro já antecipava o que seria o dia de hoje. O Ibovespa registrou queda de 6% na primeira hora do pregão, mínima que foi renovada à tarde, com o aprofundamento das perdas em Wall Street, que terminaram na mínima pontuação do dia. O Dow Jones recuou 4,42%, aos 10.917,51 pontos, o S&P teve baixa de 4,71%, aos 1.192,69 pontos, o Nasdaq fechou em queda de 3,60%, aos 2.179,91 pontos. As perdas foram ampliadas no final da sessão com a queda livre do setor financeiro e fraqueza das ações de energia. "A crise financeira se tornou 'sistêmica'", disse Richard Bernstein, estrategista-chefe de investimentos do Merrill Lynch.

Os investidores se refugiariam nos títulos do Tesouro dos EUA. O T-Note de 2 anos foi o mais procurado e o rendimento oferecido pelo papel caiu 21,19% hoje. Esse recuo é explicado também porque os investidores passaram a precificar um corte na taxa básica de juros pelo Federal Reserve (Fed, banco central americano) amanhã, com 66% de chances, de 2% para 1,75% ao ano. Esta seria mais uma medida para o governo norte-americano tentar dissipar a crise, além do pacote para prover mais liquidez aos mercados anunciado ontem.

Embora tenha ampliado sua linha de financiamento, o mercado acordou sem humor algum por que o Federal Reserve não ajudou a salvar o Lehman Brothers, repetindo o que havia feito com o banco de investimentos Bear Stearns, em março. Assim, o quarto maior banco de investimentos norte-americano ficou à deriva e teve que pedir concordata. O terceiro maior banco, o Merrill Lynch, acabou se livrando de ser o próximo da fila ao ser vendido para o Bank of America (BofA), que não quis perder a viagem e arrematou a instituição. O BofA era um dos cotados a levar o Lehman, assim como o Barclays, mas ambos declinaram quando souberam que o Fed não injetaria dinheiro para a compra.

Além dos bancos, o setor financeiro americano também teve uma seguradora como protagonista dos problemas. A AIG está tentando conseguir dinheiro para sua operação e já obteve autorização do Fed de Nova York para o acesso a US$ 20 bilhões em capital de suas subsidiárias para cobrir suas necessidades operacionais. Uma reunião entre a empresa, o Fed de Nova York, o Tesouro dos EUA e autoridades reguladoras do setor de serviços acontecia esta tarde, ainda sem desfecho.

Para amanhã, o dia deve ser de mais turbulência, segundo analistas, com a abertura do mercado japonês (hoje foi feriado naquele país). Segundo o Wall Street Journal, diversos bancos japoneses estão entre os principais credores bancários do Lehman Brothers. "O tombo foi muito grande para passar em um dia. Vai ter muito fundinho quebrando. Os efeitos ainda serão longos", resumiu o gestor-gerente da Infinity Asset, George Sanders.

Apenas uma ação do Ibovespa fechou em alta hoje: Comgás PN (+0,51%).

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG