Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa superou instabilidade e subiu 4,71%; dólar avançou mais de 3%

SÃO PAULO - Apesar da instabilidade, a quinta-feira acabou se consolidando como um dia de recuperação para a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). O dólar e os juros futuros, por uma questão de horário, escaparam da melhora de humor do final da tarde e encerram apontando para cima.

Valor Online |

Em Wall Street, o pregão foi de altos e baixos, com o Dow Jones chegando a cair mais de 3%, antes de iniciar uma retomada frenética que resultou em uma valorização de 6,67% no fim do dia. A bolsa eletrônica Nasdaq seguiu o mesmo caminho, ganhando 6,50%. Não há fator único para explicar tal movimento; os analistas classificaram como mais um sinal da irracionalidade no mercado e da incapacidade de se precificar de forma coerente os ativos.

Por aqui, o Ibovespa começou o dia em alta, caiu à tarde junto com o Dow Jones e retomou a valorização no encerramento. Depois de oscilar 2.600 pontos entre máxima e mínima, o índice fechou aos 35.993 pontos, ou alta de 4,71%. O giro financeiro ficou em R$ 3,95 bilhões. O destaque da sessão ficou com os bancos e algumas elétricas e operadoras de telecomunicações.

O dólar encerrou os negócios no momento de maior instabilidade do dia, chegando a bater os R$ 2,387 pouco antes do encerramento do negócio. No ajuste, as compras recuaram um pouco e a moeda fechou a R$ 2,366 na compra e R$ 2,368 na venda, avanço de 3,40%. Na semana, a divisa norte-americana acumula ganho de 9,6%.

Na roda de " pronto " da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM & F), a moeda subiu 4,13%, finalizando a R$ 2,3825. O giro financeiro ficou em US$ 125,2 milhões. O giro interbancário somou US$ 3,96 bilhões, mais de duas vezes maior que o observado um dia antes.

Os juros futuros seguiram o preço do dólar e o ambiente ruim que dominou o período da tarde e fecharam com valorização. Pela manhã, os vencimentos chegaram a apontar para baixo depois que o Índice de Geral de Preços 10 (IGP-10) subiu menos que o esperado em novembro.

Ao fim do pregão na BM & F, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010 apontava alta de 0,22 ponto percentual, para 15,50%. Janeiro 2011 aumentou 0,24 ponto, a 16,20%, e janeiro 2012 apontava 16,41%, elevação de 0,26 ponto.

Na ponta curta, dezembro de 2008 marcava 13,49%, queda de 0,04 ponto percentual. Já o DI para janeiro de 2009 avançou 0,01 ponto, negociado a 13,72%.

Até as 16h15, antes do ajuste final de posições, foram negociados 443.520 contratos, equivalentes a R$ 37,59 bilhões (US$ 16,61 bilhões). O vencimento de janeiro de 2010 foi o mais negociado, com 226.440 contratos, equivalentes a R$ 19,29 bilhões (US$ 8,52 bilhões).

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG