Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa supera instabilidade e fecha acima dos 40 mil pontos

SÃO PAULO - A virada de humor no mercado norte-americano conteve as compras no decorrer da tarde, mas não impediu que a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) garantisse fechamento acima dos 40 mil pontos. Depois de subir mais de 4% e bater 41.

Valor Online |

490 na máxima, o Ibovespa fechou o dia com valorização de 0,96%, aos 40.129 pontos. Destaque para o giro financeiro de R$ 5,58 bilhões, o maior do ano até o momento.

Mais uma vez o setor financeiro pesou sobre o humor do investidor americano, puxando o Dow Jones para o território negativo. Por volta das 18 horas, o índice caía 1,38%, enquanto o Nasdaq apontava alta de 0,23%. Os agentes não gostaram de declarações envolvendo uma reformulação do TARP, plano de salvamento para o setor. Fracos resultados para Walt Diney e Kraft Foods também ofuscaram os dados econômicos no dia, com perda de empregos dentro do esperado na medição da ADP, empresa que processa folhas de pagamento, e o aumento da atividade no setor de serviços.

Para o gestor diretor-gestor da Codepe Corretora, Fernando Aguiar, não havia justificativa para euforia de compra na Bovespa. "E a reversão aconteceu, mesmo, por falta de fundamento."
Segundo Aguiar, a situação segue muito ruim. A bolsa de valores é fundada em expectativa, ou seja, o investidor tem que acreditar que o amanhã será melhor que hoje para que os preços avancem. "Mas, lamentavelmente, não tem indicador que aponte para isso", resume.

Ainda de acordo com o diretor, por faltar fundamentação, o Ibovespa não conseguiu superar a barreira técnica dos 40.300 pontos e, assim, ir em direção aos 42 mil pontos.

Aguiar também avalia que mesmo essa expectativa de recuperação nos preços das commodities pode se mostrar pontual, pois o consumo mundial continua bastante baixo.

Foi essa expectativa de maior preço para minérios e metais que segurou a Bovespa em território positivo, hoje. Destaque para o papel PNA da Vale, que movimentou mais de R$ 1 bilhão, fechando o dia com alta de 3,62%, a R$ 30,05. No ano, o ativo já subiu mais de 25%. Vale ON ganhou 4,42%, para R$ 35,41.

Entre as siderúrgicas, Gerdau PN subiu 4,68%, a R$ 16,32, Usiminas PNA ganhou 5,26%, a R$ 29,80, e CSN ON aumentou 3,24%, para R$ 37,52.

A ação PN da Petrobras garantiu alta de 0,46%, para R$ 25,70, apesar da queda no preço do barril de WTI, que fechou pouco acima de US$ 40.

Depois de liderar os ganhos do dia, as construtoras passaram por forte reversão. Rossi ON desabou 16,70%, para R$ 3,99. Cyrela ON, que chegou a ganhar mais de 11%, caiu 5,28%, para R$ 9,85, e Gafisa perdeu 3,03%, para R$ 12,80.

Baixas superiores a 5% para Telemar PN, Telemar Norte Leste PNA e Brasil Telecom SA PN. Mesmo com petróleo em queda, TAM PN e Gol PN caíram mais de 4%, para R$ 15,74 e R$ 9,65, respectivamente.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG