Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa sobe mais de 1% no dia, mas fecha semana com baixa de 5,79%

SÃO PAULO - Sem indicadores relevantes na agenda desta sexta-feira, espremida entre o feriado de Natal e um fim de semana, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) mostrou forte volatilidade no pregão de menor volume financeiro neste ano. A sinalização de alta ou de baixa foi dada por Nova York, onde também houve oscilação significativa dos índices.

Valor Online |

No final dos negócios, o Ibovespa marcou alta de 1,08%, aos 36.864 pontos e giro financeiro de R$ 1,192 bilhão. Na máxima do dia, o índice chegou a superar os 37 mil pontos e bateu 37.135 pontos. O menor patamar nesta jornada foi de 36.333 pontos. No acumulado da semana o índice caiu 5,79%, embora ainda mostre valorização de 0,74% no mês de dezembro. Já no ano a baixa acumulada é de 42,30%.

Os agentes do segmento ponderam que o dia vazio de notícias contribuiu para o movimento errático do índice. Ainda assim, Felipe Casotti, economista do setor de renda variável da Máxima Asset Management, lembra que as variações domésticas acompanharam de perto os momentos de desaceleração dos índices em Wall Street. Lá fora o Dow Jones mostrava alta de 0,75% antes do fechamento e o Standard & Poor´s avançava 0,86%.

Como incentivo para a alta, os agentes mencionam o fato de as bolsas americanas terem fechado no azul na quarta-feira, quando a bolsa paulista esteve fechada pelo Natal. Além disso, a alta do petróleo hoje deu mais um motivo para a compra dos papéis da Petrobras, que haviam sofrido baixa durante cinco dias seguidos.

Analistas de renda variável ponderam que há um esforço dos agentes em fazer com que o índice feche em território positivo. Se encerrar dezembro no vermelho, terá sido o sétimo mês consecutivo de baixa para o Ibovespa.

O que impediu ganhos mais relevantes para o índice local foi a queda em bloco das ações do setor bancário. Kelly Trentin, analista de Investimentos da corretora SLW, acredita que as ações perderam valor devido ao aumento das apostas de corte de juro mais rápido e mais forte no curto prazo.

Com o risco de importar uma forte desaceleração, e com a inflação dando mostras de acomodação rumo à meta, a leitura de economistas e analistas é de que o Banco Central terá de adotar posição mais flexível na condução da política monetária e reduzir o juro.

Assim, as ações PN do Bradesco caíram 2,24% (R$ 22,32); Banco do Brasil ON zerou a perda no final e fechou estável em R$ 14; Itaú PN recuou 0,42% (25,90) e as units do Unibanco apuraram baixa de 0,89% (R$ 14,43). Entre os papéis mais relevantes, Vale PNA subiu 2,97% (R$ 23,23) e Petrobras PN avançou 3,63% (R$ 22,80).

(Bianca Ribeiro | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG