Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa sobe em dezembro, mas tem pior ano desde 1972

SÃO PAULO - O último pregão de 2008 acabou de forma positiva na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), mas não muda o fato de que o ano que se encerra foi o pior desde 1972, com o Ibovespa, principal índice do mercado, amargando queda de 41,22%. Dentro de um ambiente de crise, o mercado brasileiro pagou o preço por sua elevada liquidez entre os emergentes, mesmo fator que impulsionou o índice para máximas históricas acima dos 73.500 pontos até o mês de maio. Não custa lembrar, também, que o Ibovespa vinha registrando altas consecutivas desde 2003, ou seja, cinco anos seguidos acumulando valor. Só no ano passado, a alta foi de 43,65%.

Redação com agências |

 

Nesta terça-feira, as compras prevaleceram apoiadas no cenário externo positivo. O Ibovespa ganhou 1,32%, fechando aos 37.550 pontos, com giro financeiro em R$ 2,6 bilhões. Com isso, o indicador acumula alta de 2,61% no mês de dezembro, mas fecha o quarto trimestre com baixa de 24,2%.

Mercado de Câmbio 

Já o dólar caiu mais de 3% frente ao real nesta terça-feira, mas acumulou em 2008 avanço superior a 30%. Pela primeira vez em cinco anos a moeda norte-americana registra valorização anual ante o real.  

Segundo o administrador de investimentos Fabio Colombo, a Bolsa foi a grande perdedora desta crise, que teve seu ápice com a quebra do banco Lehman Brothers, em outubro, quando o governo dos Estados Unidos se viu obrigado a aprovar um plano de US$ 700 bilhões para socorrer as instituições financeiras.

A grande perdedora, após cinco anos de fortes altas, foi a bolsa, seguindo a tendência internacional, afirma Colombo. Em 2009, os mercados deverão continuar bem voláteis devido às incertezas sobre o futuro da economia global. Ainda não se sabe se as bolsas ao redor do mundo já atingiram o fundo do poço, acrescenta.

Colombo, assim como a maioria dos analistas, está cauteloso em relação ao mercado acionário em 2009 e recomenda que o investidor mantenha o cinto afivelado. O investidor deve continuar no processo de compra gradativa de ações, afirma. Ele, porém, destaca que, com a queda forte registrada neste ano, a Bovespa tem boa chance de apresentar bom resultado já em 2009.

Lika Takahashi, coordenadora de análise de investimento do Banco Fator, compartilha da mesma opinião. Os sacolejos continuarão a ocorrer em 2009, avalia.

O dia na bolsa

O volume financeiro da última sessão foi de R$ 2,6 bilhões. Segundo o diretor da Indusval Corretora, José Costa Gonçalves, os ganhos nas bolsas européias e norte-americanas ajudaram o desempenho do índice nesta terça, mas o baixo volume mostra que ninguém quer arriscar posições mais agressivas.

Outro ponto destacado por Costa que ajuda a explicar os ganhos desta semana é a atuação de fundos, que tentam melhorar as carteiras para o fechamento das cotas do mês.

De maneira geral, o especialista aponta que o mercado está um pouco melhor, com oscilações menos intensas e uma maior seletividade do investidor. " Estou otimista para o ano que vem ", diz Costa, acreditando que o Ibovespa pode registrar valorização já em 2009.

Na visão do diretor, a crise vai ser forte, mas de curta duração. E como a bolsa sempre antecipa os cenários, uma retomada no preço dos ativos pode acontecer antes de tais sinais aparecerem na economia real.

No âmbito corporativo, os papéis da Petrobras sustentaram os ganhos do índice apesar da queda no preço do petróleo. O ativo PN fechou com alta de 1,42%, aos R$ 22,84, e o ON ganhou 1,47%, para R$ 27,49.

Contribuindo para o desempenho positivo do dia, Vale PNA teve valorização de 0,37%, para R$ 23,89. Bradesco PN subiu 1,52%, fechando a R$ 22,59, e Itaú PN ganhou 0,77%, para R$ 26,10.

Destaque de alta para JBS ON, que disparou 9,31%, para R$ 4,93, ganho garantido no call de fechamento. B2W Varejo ON teve alta de 6,48%, para R$ 23,80. Revertendo as perdas da manhã, Usiminas ON também subiu mais de 6%, para R$ 25,85. Aracruz PNB e América Latina Logística Unit aumentaram mais de 5% cada.

Na ponta vendedora, perda de 3,17%, para Brasil Telecom Part PN, que recuou 3,17%, a R$ 17,41. Celesc PNB, Eletropaulo PNB, Vivo PN e NET PN caíram mais de 2% cada.

(Com Reuters e Valor Online)

Leia tudo sobre: bolsabovespa

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG