Tamanho do texto

SÃO PAULO - Alinhada à sinalização proveniente do mercado norte-americano, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) segue operando em território negativo. Por volta das 14h45, o Ibovespa apontava queda de 1,27%, aos 41.

458 pontos. O giro financeiro estava em R$ 2,06 bilhões.

Depois de um breve momento de otimismo, os investidores passaram a precificar o fraco desempenho do mercado de trabalho dos Estados Unidos, que perdeu 524 mil postos de trabalho durante o mês de dezembro, resultado dentro do esperado. Com isso, a taxa de desemprego subiu a 7,2%, a maior em 16 anos. Há pouco, o Dow Jones perdia 1,2%, enquanto o Nasdaq recuava 2,33%.

No mercado de câmbio, a instabilidade é bastante grande. Depois de oscilar entre ganhos e perdas, há pouco o dólar comercial operava praticamente estável a R$ 2,290, leve baixa de 0,08%.

Dentro do Ibovespa, a ação PNA da Vale lidera o volume negociado registrando queda de 0,98%, a R$ 28,23. Petrobras PN se desvalorizava 0,54%, a R$ 25,36.

No grupo das siderúrgicas, o papel ON da CSN reverteu as perdas e apontava ganho de 0,66%, a R$ 37,80, assim como o ativo PN da Gerdau, que subia 0,69%, a R$ 18,92.

Entre os bancos, o destaque segue com o papel ON do Banco do Brasil, que subia 1,94%, para R$ 15,70, com o terceiro maior volume do dia. A estatal fechou a compra de 49,99% do capital votante e 50% do capital total do Banco Votorantim por R$ 4,2 bilhões, valor inferior ao estimado previamente pelo mercado.

Ainda no setor, Bradesco PN recuava 2,78%, a R$ 23,71, Itaú PN cedia 2,02%, a R$ 28,00, e as units do Unibanco apontavam baixa de 1,5%, a R$ 15,70.

Na ponta compradora, Rossi Residencial ON aumentava 3,81%, para R$ 5,17. TIM Part ON se valorizava 2,67%, a R$ 5,37, e Natura ON subia 2,53%, a R$ 19,82.

(Valor Online)