Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa segue commodities e Nova York e apresenta queda de 0,70%

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) segue operando em território negativo, com os investidores embolsando parte do ganho do pregão de ontem. Por volta das 13 horas, o Ibovespa recuava 0,70%, para 38.

Valor Online |

016 pontos, com giro financeiro em R$ 951 milhões.

Contrariando a sinalização proveniente do mercado futuro, o pregão em Wall Street também começou de forma negativa. Há pouco, Dow Jones perdia 1,69%, e o Nasdaq caía 0,86 %. O otimismo dos agentes com o plano de resgate às montadoras foi suplantado pelas perspectivas negativas desenhadas pela Texas Instruments e FedEx.

O diretor da Intrade, Edson Hydalgo Júnior, observa que a Bovespa segue o sinal externo e ensaia uma realização de lucros depois da disparada de 8,3% registrada no pregão de ontem.

Ele acredita, no entanto, que o tipo de reação dos investidores na sessão de segunda-feira e a sinalização de que o governo dos Estados Unidos vai continuar tomando pedidas para aquecer a economia - como o plano de investimentos em infra-estrutura do presidente eleito Barack Obama - podem dar ânimo novo ao mercado, levando a Bovespa a fechar o ano acima dos 40 mil pontos.

Graficamente, Júnior aponta que, ao superar os 38 mil pontos na sessão de ontem, o Ibovespa formou o primeiro pivô de alta desde o dia 21 de maio. Agora, o próximo objeto gráfico do índice está nos 42 mil pontos.

Vale lembrar que em 20 de maio o Ibovespa registrou o último recorde do ano ao fechar aos 73.516 pontos. Desde então, o indicador só perdeu valor, chegando a ser negociado abaixo dos 30 mil pontos no mês de outubro.

De volta ao dia-a-dia, Júnior aponta que os dados sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no terceiro trimestre não têm impacto sobre o mercado de ações. " Apesar de superar as expectativas, o dado não indica tendência para os próximos trimestres " , resume.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a economia brasileira cresceu 1,8% entre julho e setembro ante o segundo trimestre e 6,8% no confronto com o terceiro trimestre do ano passado. A expectativa apontava alta de 1,1% na comparação trimestral e 6% na anual.

No âmbito corporativo, a instabilidade no preço das commodities dificulta a tomada de posições. Petrobras PN reverteu as perdas da manhã e subia 0,44%. Já Vale PNA perdia 1,01%, negociada a R$ 23,45.

Retomada de compra entre as siderúrgicas. Gerdau PN ganhava 0,32%, a R$ 15,65, e Usiminas PNA aumentava 1,83%, a R$ 26,09.

Perda para os bancos, com Banco do Brasil ON recuando 1,39%, a R$ 16,93, Itaú PN desvalorizava 1,50%, saindo a R$ 29,46, e as units do Unibanco declinavam 1,38%, para R$ 16,36.

Queda acentuada para ação PN do Pão de Açúcar, que valia 4,73%, transacionada a R$ 36,20. O Credit Suisse rebaixou a recomendação do papel para " under perform " .

Fora do índice, pelo segundo dia seguido, o destaque fica com as ações ON da Positivo, que disparavam 54,05%, a R$ 9,49, seguindo uma alta de 30% na segunda-feira. A empresa confirmou que o UBS Pactual assessora a diretoria em eventuais propostas de aquisição. Ontem, surgiram rumores de que a Lenovo e a Dell estariam interessadas em comprar a fabricante de computadores.

No câmbio, a instabilidade na formação da taxa continua acentuada. O dólar abriu o pregão em alta, testando R$ 2,548 na máxima, caiu para R$ 2,447 e há pouco registrava leve aumento, de 0,15%, a R$ 2,505 na venda.

Conforme a AGK Corretora de Câmbio, a demanda de moeda por fundos de hedge e empresas para remessas de lucros e dividendos ao exterior e as especulações de investidores comprados no mercado de derivativos pressionam a taxa de câmbio.

A corretora também detecta que a falta de definição e clareza na postura do Banco Central (BC) estariam tornando o ambiente mais propício para especulações.

" É imprescindível uma comunicação mais eficiente por parte do BC, esclarecendo sua linha de atuação para este momento de instabilidade e forças contrárias. Se não, o BC pode ficar refém do mercado e a moeda brasileira pode continuar pressionada " , observou a corretora em relatório.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG