A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) não acompanhou a intensidade do otimismo das Bolsas de Nova York, mas encerrou o pregão da quinta-feira em alta, apoiada nas ações da Petrobras e bancos.

No Brasil, sem notícias relevantes e com o menor peso das instituições financeiras no principal índice da bolsa paulista, o mercado ficou meio de lado, sem tomar um rumo, segundo analistas, melhorando um pouco no final do dia.

O Ibovespa, principal índice da Bolsa paulista, encerrou com ganhos de 0,89%, aos 39.151 pontos. O giro financeiro foi de R$ 4,15 bilhões.

A proximidade do vencimento de opções na próxima semana e notícias pouco otimistas para os principais papéis da Bovespa, Petrobras e Vale, foram os motivos apontados por analistas para o comportamento inferior a Wall Street, onde as Bolsas subiram mais de 3%.

Entre os ativos de maior peso na carteira, Petrobras PN subiu 1,24%, para R$ 27,55; Vale PNA recuou 1,38%, a R$ 27,10; BM & FBovespa ON aumentou 1,04%, cotada a R$ 6,79; Bradesco PN valorizou 2,62%, a R$ 21,86; e Itaú PN ganhou 2,58%, para R$ 23,85.

Dólar

O dólar fechou em forte queda ante o real nesta quinta-feira, depois que o Banco Central realizou um leilão de empréstimo de moeda estrangeira para financiamento do comércio exterior. A desvalorização do dólar em relação a uma cesta com as principais moedas ajudou a forçar a baixa da divisa também frente ao real.

O dólar encerrou em baixa de 2,13%, a R$ 2,301 para venda. É o maior queda percentual diária desde 28 de janeiro.

Operadores avaliaram que a melhora do humor nos mercados acionários externos também teve reflexos nas operações de câmbio.

(Com informações da Reuters e Valor Online)

Leia mais sobre Bovespa - dólar

    Leia tudo sobre: bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.