Tamanho do texto

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) tem um pregão instável e de baixo volume financeiro. Depois de subir quase 1% no período da manhã, por volta das 13h10, o Ibovespa recuava 0,44%, para 36.

307 pontos, com giro de R$ 625 milhões.

No câmbio, as vendas prosseguem, com os investidores revendo suas posições depois que o patamar de R$ 2,30 foi rompido na sessão de ontem. Há pouco, a moeda valia R$ 2,260 na venda, baixa de 0,65%.

Segundo a consultoria UpTrend, o mercado foi esvaziado pelo feriado do Dia de Ação de Graças nos EUA, que mantém Wall Street inoperante, e as negociações apresentam a volatilidade inerente ao momento de crise.

A consultoria alerta que os recentes dias de humor positivo tanto aqui quanto nos Estados Unidos levantam questionamentos sobre se o pior já passou. Na avaliação da UpTrend, contudo, o momento exige cautela. " Estamos passando, ainda, pelo pior momento macroeconômico da crise e a volatilidade está longe de ser mitigada. Portanto, os reveses ainda são possíveis. "
Para a consultoria, o que vem garantindo certo alívio aos investidores são as entradas de recursos na economia, com os planos anunciados nos EUA e Europa, as ações que estão sendo planejadas pelo novo governo norte-americano, assim como a boa recepção aos nomes da equipe do presidente eleito Barack Obama.

De volta à Bovespa, notícias corporativas movimentam o pregão. A Petrobras divulgou nota de esclarecimento sobre o empréstimo de R$ 2 bilhões que tomou junto à Caixa Econômica Federal (CEF). A companhia aponta que esse tipo de operação " faz parte do curso normal das atividades " e comentou também que vem utilizando com maior freqüência o mercado doméstico para suas suprir suas necessidades de financiamento. Depois de registrar ganhos no começo do pregão, há pouco, o papel PN da estatal caía 2,04%, para R$ 20,10.

Sustentando os ganhos da manhã, ação PNA da Vale aumentava 0,28%, negociada a R$ 24,50. Por outro lado, os bancos mudaram de direção. Itaú PN caía 0,18%, para R$ 26,45, e Banco do Brasil ON desvalorizava 1,27%, a R$ 13,91.

A ação da Sadia tem mais um pregão de instabilidade, mesmo depois de a companhia ter negado os rumores de venda para a Nestlé. A ação PN da fabricante de alimentos ganhava 3,57%, para R$ 3,48.

Os papéis da TIM seguem operando em forte alta seguindo as notícias de que o conselho de administração estuda a venda da operadora para a Telefónica. A ação ON ganhava 10,71%, para R$ 7,75, e o PN subia 8,52%, para R$ 4,20.

A fabricante de celulose Aracruz comunicou que é alvo de um processo nos Estados Unidos por ter quebrado as leis de mercado do país ao fazer operações com derivativos. A empresa afirmou que ainda não foi notificada oficialmente e que manterá os investidores informados. Há pouco, o papel PNB ganhava 0,48%, para R$ 2,07.

No setor elétrico, a Copel anunciou que teve sua classificação de risco elevada pela Moody´s. O papel reage de forma positiva, ganhando 3,33%, a R$ 26,64.

Devolvendo parte do expressivo ganho de ontem, as units da ALL Logística perdiam 6,94%, a R$ 10,98, e Telemar Norte Leste PNA caía 5,60%, cotada a R$ 53,00, e JBS ON desvalorizava 5,31%, a R$ 4,45.

(Eduardo Campos | Valor Online)