Tamanho do texto

SÃO PAULO - Apoiada nas ações de commodities, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) luta para permanecer descolada da instabilidade externa e garantir encerramento de pregão em território positivo. Por volta das 17h25, o Ibovespa ganhava 0,29%, para 39.

116 pontos, com giro financeiro em R$ 3,89 bilhões.

Em Wall Street, o dia é bastante instável, com os agentes reagindo aos dados econômicos negativos e à incerteza sobre aprovação do plano de resgate às montadoras no Senado. Há pouco, o Dow Jones caía 0,80%, enquanto o Nasdaq recuava 1,31%.

Dentro do Ibovespa, o destaque segue com ações PN da Petrobras, que subiam 5,37%, para R$ 23,12, com quase R$ 1 bilhões em negócios. O ativo ON da estatal ganhava 5,96%, a R$ 28,25.

As siderúrgicas também dão sua contribuição para a alta. Usiminas PNA subia 2,01%, para R$ 27,85, e CSN ON aumentava 2,09%, para R$ 29,20. Em direção contrária, Gerdau PN caía 1,45%, negociada a R$ 16,28.

Puxando os ganhos, o setor de varejo e construção reage o pacote de estimulo econômicos anunciado pelo governo, que deve injetar mais de R$ 8 bilhões na economia. Lojas Renner ON ganhava 5,67%, a R$ 15,64, Rossi Residencial subia 7,61%, para R$ 3,25, e Lojas Americanas PN valorizava 4,72%, para R$ 6,65.

Puxando as perdas, Perdigão PN perdia 5,17%, para R$ 35,70. Entre as teles, Brasil Telecom Part PN recuava 5,14%, a R$ 19,43 e Telemar ON perdia 4,70%, cotado a R$ 38,11. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) barrou parte da compra da BrT pela Oi. A restrição vale para os provedores de internet das duas companhias.

(Valor Online)