Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa inverte e sobe 1,9%; dólar ganha 0,04%, para R$ 2,297

SÃO PAULO - Revertendo as perdas do começo do pregão, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) passa a operar em território positivo, retomando os 40 mil pontos. Depois de cair quase 2% no começo dos negócios, por volta das 13h10, o Ibovespa apontava alta de 1,90%, para 40.

Valor Online |

151 pontos, com giro financeiro em R$ 1,37 bilhão.

As ordens mudaram de venda para compra conforme as commodities esboçaram reação no mercado externo. O petróleo ensaia valorização, revertendo as perdas do período da manhã. Isso puxa também o papel PN da Petrobras, que subia 2,10%, para R$ 24,25.

Liderando o volume negociado, Vale PNA ganhava 2,75%, para R$ 26,90. E entre as siderúrgicas, CSN ON subia 0,63%, valendo R$ 36,70, ignorando os comentários de bancos estrangeiros que prevêem queda acentuada no preço do aço em 2009. Ainda no setor, Usiminas PNA ganhava 0,54%, para R$ 29,61.

A virada de humor em Wall Street, também estimula a tomada de posições por aqui. Em Wall Street, o Dow Jones apontava alta de 0,49%, enquanto o Nasdaq valorizava 1,0%.

Segundo o diretor da Intrader, Edson Hydalgo Júnior, mesmo com a forte realização de lucros de ontem, a Bovespa ainda está dentro de um canal de alta, e briga para permanecer dentro dele.

Pela análise gráfica do especialista, o índice tem espaço para embolsar lucros até os 36.800 pontos sem perder tal canal de alta. Mantido o bom humor do momento, o próximo objetivo do índice é retomar os 42.300 pontos.

Segundo Júnior, com uma ajuda do dinheiro externo, o Ibovespa pode buscar seu próximo objetivo, que está nos 43.900 pontos. Vale lembrar que do dia 1 ao dia 8 de janeiro, o saldo de negociação dos investidores não residentes estava positivo em R$ 1,08 bilhão.

O diretor lembra que a temporada de balanços do quarto trimestre pode trazer algumas surpresas positivas. Segundo Júnior, algumas empresas continuaram com boas performances de venda e lucro, mas suas ações foram massacradas durante o ano passado. Com isso, ajustes pontuais de alta podem acontecer.

Ainda de acordo com Júnior, o preço das commodities não deve ficar indefinidamente em baixa e uma puxada de alta deve acontecer ao primeiro sinal de que a economia mundial reage aos planos de estímulo anunciados ao redor do mundo.

De volta ao âmbito corporativo, Redecard ON ganhava 4,44%, para R$ 25,38. Telemar Norte Leste PNA ganhava 3,89%, a R$ 50,95. Comgás PNA, Cesp PNB, Embraer ON, Cyeral ON e Lojas Renner ON ganhavam mais de 3% cada.

Fora da recuperação, GOL PN caía 1,32%, para R$ 11,13, e TAM PN recuava 0,76%, a R$ 19,42. Perda também para os bancos, com Bradesco PN desvalorizando 0,90%, para R$ 23,07. Itaú PN perdia 0,51%, a R$ 27,18.

A formação da taxa de câmbio também reflete a virada global de humor, com o dólar reduzindo o ritmo de valorização contra o real. Há pouco, a moeda era negociada a R$ 2,297 na venda, leve alta de 0,04%. Na máxima do dólar bateu R$ 2,335. No mercado futuro, a moeda com entrega para fevereiro caía 0,87%, para R$ 2,312.

O Banco Central não atuou no mercado à vista, mas colocou US$ 500 milhões no mercado por meio de leilão de venda compromisso de recompra (leilão de linha).

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG