Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa fecha perto da estabilidade, em alta de 0,30%

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou nesta segunda-feira perto da estabilidade, em alta de 0,30%, aos 36.776 pontos, em um pregão de muitas influências externas.

Redação com agências |

 

O pregão de hoje pode ser dividido em duas partes. O primeiro momento foi de euforia com a divulgação de um pacote econômico de US$ 586 bilhões pela China. Tal notícia animou as compras pela manhã, puxando alta de 5,6% no Ibovespa.

No decorrer da tarde a realidade voltou a assombrar os investidores, depois que mais uma empresa norte-americana pediu falência. Isso reverteu o sentimento do investidor norte-americano e acabou comprometendo as compras por aqui.

Em Nova York, os investidores temiam que mesmo o pacote chinês não será capaz de impedir uma desaceleração na demanda por bens e serviços ao redor do mundo.

A crise mudou de Wall Street para Detroit: as ações da montadora General Motors (GM) caíram para seu nível mais baixo em mais de 50 anos hoje, com uma queda de mais de 30%, depois que o banco alemão Deutsche Bank alertou que a montadora não será capaz de financiar suas operações depois de dezembro, prevendo um futuro "semelhante a uma falência". As da rival Ford recuavam 4,46%. "É óbvio que essas duas vão precisar de alguma ajuda grande para evitar a falência", afirmou Ryan Detrick, estrategista sênior técnico da Schaeffer's Investment Research.

Na avaliação de especialistas, também contribuiu para a mudança de humor foi a notícia de mais uma falência nos EUA. A Circuit City, segunda maior varejista de eletrônicos dos EUA, pediu proteção de credores sob o Capítulo 11 da Lei de Falências. Antes disso, os investidores já digeriam perdas bilionárias da seguradora AIG e da financeira hipotecária Fannie Mae.

Dentro da Bovespa, o papel PN da Petrobras liderou o volume negociado avançando 2,96%, para R$ 23,95. Vale PNA subiu 3,90%, para R$ 25,25, e Vale ON aumentou 4,69%, para R$ 27,90.

Dólar

Recuperando as perdas observadas no começo do dia, a moeda norte-americana fechou em alta ante o real. O preço da divisa estrangeira seguiu o cenário externo, onde o humor virou depois de um começo de sessão bastante otimista.

A moeda americana fechou cotada a R$ 2,191, com alta de 1,39%.

Pela manhã, o humor dos investidores foi impulsionado pelo pacote chinês. Mas de acordo com o operador da Dascam Corretora de Câmbio, Luiz Fernando Moreira, a notícia teve efeito limitado e, já no começo da tarde, a preocupação com a economia norte-americana voltava a falar mais alto. E isso reverteu o sinal das bolsas em Wall Street e também a cotação do dólar por aqui.

Ainda de acordo com Moreira, o que reforça a expectativa de alta é a contínua formação de posições compradas em dólar no mercado futuro. "O investidor se sente mais confortável apostando na alta da moeda."
Mantendo a postura adotada nas últimas semanas, o Banco Central voltou a ofertar dólares via contratos de swap. Na operação realizada hoje, foram colocados 4.290 contratos de um total de 14 mil ofertados, movimentando US$ 212,9 milhões.

(Com informações da Agência Estado e Valor Online)

Leia também

 

Para saber mais

 

Serviço 

 

Opinião

Leia tudo sobre: bovespadolar

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG