O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, aprofundou as perdas do dia na última hora de negócios nesta quarta-feira, acompanhando a deterioração do mercado acionário americano, mas no fim do pregão teve leve recuperação e fechou em queda de 11,39%, com 36.833 pontos e giro financeiro de R$ 8,249 bilhões.

Esta foi a maior queda da Bovespa em dez anos. O índice não caía dois dígitos no fechamento desde os 15,8% de 10 de setembro de 1998.

Com o resultado desta quarta-feira, o índice devolve a maior parte da recuperação acumulada entre segunda-feira e ontem, de 16,71%.

Desde o dia 15 de setembro, ou seja, um mês após a quebra do Lehman Brothers, o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Ibovespa) já perdeu quase um terço de seu valor: 29,70% de baixa, considerando os fechamentos de 12 de setembro e o de hoje.

Por volta das 14h30, quando as perdas atingiram os 10%, foi acionado o circuit breaker pela quinta vez desde o início da crise financeira mundial. O circuit breaker é o mecanismo utilizado pela Bovespa que permite, na ocorrência de movimentos bruscos de mercado, o amortecimento e o rebalanceamento das ordens de compra e de venda. Esse instrumento constitui-se em uma "proteção" à volatilidade excessiva em momentos atípicos de mercado. Por causa dessa parada, o pregão desta quarta-feira terminou meia hora mais tarde.

A piora no índice seguiu uma ampliação na queda dos índices de Nova York.

Por lá, as Bolsas reagiram à declaração do presidente do Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA), Bem Bernake. Destacando as ameaças ao crescimento econômico, Bernanke alertou que os mercados de crédito levarão tempo para descongelar e acrescentou que, mesmo se os mercados financeiros se estabilizarem, a economia não irá se recuperar logo em seguida.

As declarações de Bernanke se somam ao ambiente ruim para os negócios desde o início do dia em Wall Street. A divulgação de três indicadores macroeconômicos piores do que o esperado - vendas no varejo, índice de preços ao produtor e índice Empire State - fizeram aumentar as preocupações entre os agentes do mercado financeiro sobre a saúde da economia.

As Bolsas norte-americanas tiveram mais um dia de péssimo humor.  O Dow Jones perdeu 7,87%, a mais forte baixa desde o crash de 1987, e o Nasdaq, 8,47%. O índice ampliado Standard & Poor's 500 cedeu 9,03% (90,17 pontos) a 907,84.

Arte/US

Circuit breaker

O circuit breaker é o mecanismo utilizado pela Bovespa que permite, na ocorrência de movimentos bruscos de mercado, o amortecimento e o rebalanceamento das ordens de compra e de venda. Esse instrumento constitui-se em uma "proteção" à volatilidade excessiva em momentos atípicos de mercado.

Bovespa estendeu excepcionalmente hoje o horário do pregão regular da Bovespa até as 17h30, em razão do acionamento do mecanismo de circuit breaker às 14h25, com interrupção dos negócios na Bolsa paulista por meia hora, e das regras para cálculo do valor de liquidação de operações com contratos futuros de índice e opções sobre índice cujos vencimentos ocorrem hoje.

Dólar

Acompanhando a sinalização negativa do mercado externo, a moeda norte-americana voltou a subir ante o real. Segundo analistas, a alta só não foi mais forte por causa do Banco Central, que fez quatro intervenções no câmbio, em três modalidades diferentes de leilão.

O dólar fechou esta quarta-feira cotado a R$ 2,164, com alta de 3,29%.

O BC realizou, por volta de 14h30, o segundo leilão "de linha", operação na qual oferta dólares ao mercado com o compromisso de recompra em data futura.

A autoridade monetária vendeu os US$ 400 milhões oferecidos. A taxa de câmbio de venda foi de R$ 2,156. O leilão teve a cotação máxima de recompra por parte do BC de R$ 2,196318. Foram aceitas quatro propostas.

A autoridade monetária recomprará as divisas americanas em 15 de janeiro, 90 dias corridos após a liquidação financeira da transação realizada hoje, que acontecerá em 17 de outubro.

As condições são quase as mesmas do leilão feito das 11h às 11h30, quando o BC vendeu US$ 600 milhões do lote de US$ 1 bilhão oferecido. A taxa de câmbio de venda foi de R$ 2,147. O leilão teve a cotação máxima de recompra por parte do BC de R$ 2,187279.

Com informações da Agência Estado, Valor Online e Reuters

Mais notícias

Para saber mais

Serviço 

Opinião

    Leia tudo sobre: bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.