Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa e dólar fecham em alta

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) resistiu à instabilidade externa e fechou em alta nesta segunda-feira. Superando as perdas do período da tarde, o Ibovespa teve alta de 0,53%, aos 37.060 pontos. O giro financeiro somou R$ 1,95 bilhão. Grande parte da recuperação aconteceu perto do horário de fechamento.

Redação com Valor Online |

 

Com apenas mais um pregão para o encerramento do ano, o Ibovespa vai se despedindo de 2008 com perda superior a 40%.

Já o dólar, em sessão esvaziada pela proximidade das festas de Ano Novo, fechou em alta de quase 2% nesta segunda-feira, mesmo após a atuação do Banco Central. A moeda norte-americana foi a R$ 2,416, com avanço de 1,94%, depois de ter exibido queda nos primeiros negócios.

Resumo do dia

Em Wall Street, as vendas deram o rumo dos negócios, com os investidores acompanhando a instabilidade no Oriente Médio, onde Israel segue atacando a Faixa de Gaza, e assimilando notícias corporativas, como o fim de uma joint venture entre da Dow Chemical e o governo do Kuwait. Por volta das 18 horas, o Dow Jones perdia 1,01%, enquanto o Nasdaq caía 1,89%.

Na ausência de indicadores de peso na agenda do dia, o preço do petróleo ficou no foco dos investidores. O barril de WTI com entrega para fevereiro fechou acima dos US$ 40 o barril. Os agentes temem problemas de abastecimento em função do conflito entre judeus e palestinos.

No Brasil, as oscilações da commodity influíram diretamente no preço das ações da Petrobras, que fecharam com alta de 2,36%, a R$ 22,52, garantindo os ganhos do Ibovespa. O papel ON avançou 3,99%, a R$ 27,09.

Também contribuíram para a valorização do dia, BM & FBovespa ON, que teve ganho de 5,12%, encerrando a R$ 6,15, e Usiminas PNA, que subiu 6,06%, para R$ 26,94. Ainda na ponta compradora, Gafisa ON e Sadia ON subiram mais de 6% cada, para R$ 10,04 e R$ 3,64.

O sócio da MH Marcelo Chakmati aponta que grandes posições não estão sendo montadas na bolsa brasileira, algo evidenciado pelo baixo volume negociado. " Estamos em um período de pouca movimentação e o mercado segue de lado até a posse de Barack Obama (presidente eleito dos EUA). "

De acordo com o especialista, ainda não é possível traçar algum cenário para 2009. " Não sabemos o tamanho da crise no Brasil, mas a expectativa é um primeiro trimestre ou até mesmo um primeiro semestre ruim. "

Segundo Chakmati, a expectativa gira em torno da eficácia das medidas tomadas por governos ao redor do mundo para estimular a economia. No entanto, o especialista alerta que as injeções de liquidez - via juros menores e política fiscal expansionista - não são suficientes para mudar o ânimo do consumidor e do investidor.

Para Chakmati, tem que haver um descongelamento do crédito e uma certeza de que as economias voltarão a crescer, caso contrário os recursos liberados pelos governos ficam empoçados dentro dos bancos e outras instituições.

Na ponta vendedora, Vale PNA recuou 0,41%, para R$ 23,80, revertendo os ganhos registrados pela manhã. Liderando as perdas dentro do índice, JBS ON caiu 5,84%, para R$ 4,51. Perda acentuada também para TIM Part ON, que cedeu 5,83%, a R$ 5,00, Klabin PN perdeu 5,15%, para R$ 3,31.

Com o petróleo em alta as aéreas perderam atratividade. TAM PN recuou 4,30%, fechando a R$ 18,24, e GOL PN caiu 0,49%, negociada a R$ 10,14.

Fora do Ibovespa OGX Petróleo ON apresentou valorização de 8,47%, para R$ 499,00. E os recebíveis de ações (BDRs) da Cosan Limited dispararam 18,71%, para R$ 8,69.

Leia também:

Leia tudo sobre: bovespa

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG