Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa começou a semana abaixo de 39 mil pontos; dólar teve alta

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) perdeu ontem os 39 mil pontos e o dólar fechou em alta em um pregão de baixo volume de negócios. Rumo definido para os juros futuros, que voltaram a cair.

Valor Online |

O assunto do dia foram as perdas ocasionadas pelo golpe do ex-presidente da Nasdaq Bernard Madoff.

O esquema de Madoff, que administrava recursos de terceiros, consistia em uma espécie de pirâmide financeira, que envolvia grandes rentabilidades para os investidores antigos, pagas com o dinheiro dos investidores mais novos. Santander, Royal Bank of Scotland (RBS), BNP Paribas estão entre os afetados. O valor estimado do golpe é de até US$ 50 bilhões.

Ainda no ambiente externo, os investidores continuam esperando uma solução para as montadoras americanas. Na semana passada, os senadores dos EUA derrubaram a proposta de US$ 14 bilhões em ajuda ao setor.

O Tesouro americano anunciou que garantiria dinheiro às empresas, mas o detalhamento ficou aberto. O Dow Jones terminou com queda de 0,75% e o Nasdaq cedeu 2,10%.

No Brasil, a forte alta nas ações da Petrobras descolou o Ibovespa da instabilidade externa durante boa parte do pregão. No entanto, quando o preço do barril de petróleo diminuiu, as compras perderam um pouco de força.

Além disso, parte da instabilidade do pregão pode ser atribuída ao vencimento de opções sobre ações, que movimentou R$ 1,54 bilhão. Espaço para realização de lucro também existia, já que o índice tinha subido mais de 11% na semana passada.

Com o setor financeiro puxando as perdas, o Ibovespa terminou a segunda-feira com declínio de 2,68%, aos 38.320 pontos. O giro financeiro somou R$ 5,16 bilhões.

No câmbio, o dia foi de baixa movimentação. Segundo operadores, tal situação foge ao normal, pois esta semana concentraria as últimas operações do ano em função dos feriados de Natal e Ano Novo. Sinal claro disso foi o giro interbancário de apenas US$ 820 milhões.

A taxa oscilou entre alta e baixa, mas foi determinada no final do pregão. O Banco Central (BC) atuou na ponta compradora nos 10 minutos finais de sessão, mas o efeito foi contrário. Em vez de acentuar a queda no preço da moeda, ajudou o dólar a fechar com valorização de 0,97%, aos R$ 2,389 na venda.

Na roda de " pronto " da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F), a divisa aumentou 0,93%, fechando a R$ 2,387. O giro financeiro somou US$ 140,5 milhões.

O mercado de juros futuros teve uma dos pregões mais parados do ano, com menos de 200 mil contratos transacionados. Os investidores aguardam a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) para fazer o ajuste fino nas apostas de corte de juros, que se concentram em janeiro de 2009. O documento será apresentado na quinta-feira e deve detalhar a visão da autoridade monetária sobre atividade e cenário de inflação.

Ao fim do pregão, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010, o mais negociado, apontava queda de 0,01 ponto percentual, para 12,78%. O contrato para janeiro 2011 fechou com perda de 0,05 ponto, a 13,36%, e janeiro 2012 apontava 13,56%, recuo de 0,04 ponto.

Na ponta curta, o vencimento para janeiro de 2009 recuou 0,01 ponto, para 13,50%, e o DI para julho de 2009 caiu 0,02 ponto, projetando 13,05%.

Até as 16h15, antes do ajuste final de posições, foram negociados 185.550 contratos, equivalentes a R$ 16,14 bilhões (US$ 6,74 bilhões), menor volume em mais de um mês. O vencimento de janeiro de 2010 foi o mais negociado, com 86.190 contratos, equivalentes a R$ 7,60 bilhões (US$ 3,17 bilhões).

(Eduardo Campos | Valor Online)

Leia tudo sobre: home

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG