Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google
 

Bovespa acentua perdas, pressionada pela queda das blue chips

SÃO PAULO - A queda apresentada pelas blue chips, com destaque para os papéis da Petrobras, levou a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) a acentuar as as perdas na segunda etapa do pregão desta segunda-feira. Com mínima de 70.879 pontos e máxima de 71.

Valor Online |

SÃO PAULO - A queda apresentada pelas blue chips, com destaque para os papéis da Petrobras, levou a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) a acentuar as as perdas na segunda etapa do pregão desta segunda-feira. Com mínima de 70.879 pontos e máxima de 71.606 pontos, o índice recuava 0,69% por volta as 16h, aos 70.922 pontos, e girava R$ 4,249 bilhões. No mesmo horário, as ações PNA da Vale cediam 0,41%, a R$ 50,83, enquanto os papéis PN da Petrobras perdiam 1,64%, a R$ 34,65. O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, afirmou hoje que os prazos para a realização da capitalização da companhia com a cessão onerosa de 5 bilhões de barris de óleo e gás estão ficando mais apertados. Apesar da ressalva, Gabrielli confirmou que a empresa continua trabalhando com a hipótese de realizar a operação ainda no primeiro semestre deste ano. "Se não houver a cessão onerosa, vamos ver como a capitalização será feita, porque ela é indispensável", afirmou. Também contribuem para as perdas do Ibovespa, que encontra resistência para bater os 72 mil pontos, as ações ON da Usiminas, com baixa de 1,41%, a R$ 61,12, PN da Gerdau Metalúrgica, com queda de 1,38%, a R$ 38,39, PN da Gerdau, com depreciação de 1,14%, a R$ 31,20, e ON da CSN, com recuo de 0,91%, a R$ 35,56. Já em Wall Street, os investidores seguem entusiasmados por resultados corporativos divulgados e pelo anúncio do socorro financeiro à Grécia. Há pouco, o índice Dow Jones subia 0,17%, enquanto o S & P 500 ganhava 0,31% e o Nasdaq tinha alta de 0,31%. Dos cinco papéis com maior potencial de retorno nos próximos 12 meses selecionados pelo Morgan Stanley em sua carteira semanal da América Latina, quatro são brasileiros. São eles as units da Kroton, as ações ON da MRV, ON da Cyrela e as units da Anhanguera. Já na ponta contrária, as piores posições são ocupadas pelas ações PN da Ultrapar, PNB da Copel, ON da Redecard e PN da Gerdau. (Beatriz Cutait | Valor)
Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG